"A Árvore da Vida" é candidato sério à Palma de Ouro

comentar
5
COMPARTILHE
A A A

Foi um ano de espera – o Festival de Cannes aguardava contar com “A Árvore da Vida” na competição de 2010. Mas valeu a pena. O filme de Terrence Malick acabou com o marasmo desta 64ª edição, que até agora tinha exibido alguns poucos filmes de destaque, mas nada fora de série. O longa-metragem confirmou seu favoritismo na manhã desta segunda-feira (16), em sessão de imprensa lotada, que teve filas formadas na porta uma hora antes.

 


A expectativa gerada era tanta que a chance de decepção era grande – “A Árvore da Vida”, que estreia dia 23 de junho no Brasil, é o filme de autor mais aguardado dos últimos tempos. Malick começou sua carreira no final da década de 1960 e tem apenas outros quatro longas-metragens lançados. Levou anos para completar este. Alguns espectadores se decepcionaram, como mostraram algumas vaias. Mas é exagero que faz parte da cultura de Cannes.

“A Árvore da Vida” é daqueles filmes cuja trama é o de menos. O longa-metragem é uma poesia sobre a vida e a morte. A partir da morte de um dos três filhos do casal formado por Brad Pitt e Jessica Chastain, com o mais velho, já adulto (e interpretado por Sean Penn), relembrando a vida familiar, o filme relaciona a origem e a magia da vida, o amor, a beleza da natureza e a presença de Deus – ou, pelo menos, de alguma força superior. Malick, com a ajuda do fotógrafo Grant Hill, confecciona imagens belíssimas, que captam a vida como quase nunca se vê no cinema.

 


Na entrevista coletiva que se seguiu à sessão, a produtora Sarah Green teve de começar explicando a ausência do diretor. “O senhor Malick é muito tímido. E eu acrescentaria que seu trabalho fala por si.” Brad Pitt contou um pouco sobre o processo de trabalho com o cineasta. “Eu poderia falar sobre isso muito longamente. Foi muito interessante. Nossa história se passa nos anos 1950. Tínhamos de nos vestir com roupas nos anos 1950. Sua ideia era pegar o que acontecia no dia. As crianças não tinham roteiro. Elas tinham um guarda-roupa, escolhiam suas roupas, e rodávamos em dois takes. Quase todo dia, ele dava três, quatro páginas e desenvolvíamos coisas a partir daí. Só havia uma luz na casa, o resto era natural”, disse. “Foi uma experiência incrível. Não acho que poderia fazer novamente porque é exaustivo”, completou o ator.

Como o cineasta é “tímido”, Pitt foi convidado a falar um pouco sobre ele. “Ele até vai ao banheiro”, brincou o ator. “Ele é jovial, ri a maior parte do dia. Ele realmente ama seus personagens, essa é a diferença dos grandes cineastas.” Indagado sobre suas atitudes como pai, ele preferiu a ironia. “Eu bato regularmente nos meus filhos e funciona. E deixo-os sem comer também.”

O ator também disse por que prefere projetos desse tipo e não blockbusters. “Não conte que estarei fora de ‘Missão Impossível’, porque eu farei um dia!”, brincou. E depois, falando sério: “Eu gosto de descobrir, de achar algo novo. Eu gosto das coisas menos comerciais ou realmente engraçadas, comédias com caras como Jonah Hill e Zach Galifianakis. Quero fazer uma dessas”.

 

 

 

 

DEIXE UMA RESPOSTA