Angola integra Rede Lusófona contra VIH, hepatites virais e tuberculose

Angola integra Rede Lusófona contra VIH, hepatites virais e tuberculose

COMPARTILHE
A A A

Angola é um dos países representados na Rede Lusófona – Acelerar as respostas às epidemias do VIH, hepatites virais e tuberculose. A plataforma será lançada no próximo dia 29 de novembro e resulta de uma iniciativa do Grupo de Ativistas em Tratamentos (GAT) e da Coalition Plus.

Partindo do idioma e da história em comum, a Rede Lusófona assume-se como uma plataforma de advocacia constituída por organizações de base comunitária de países de língua oficial portuguesa (CPLP), cujo trabalho esteja direcionado para a melhoria de respostas no terreno nas áreas da infeção pelo VIH e SIDA, hepatites virais e tuberculose.

A Rede Lusófona tem por objetivo reunir pessoas que vivem com VIH e ativistas para que juntos possam trabalhar na elaboração de planos de ação conjuntos, bem como no desenvolvimento de respostas estratégias eficazes que respeitem os direitos humanos no combate às epidemias.

Representadas na plataforma estão organizações de base comunitária de Angola, Brasil, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Moçambique, São Tomé e Príncipe e Timor-Leste. Angola está representada pela Mwenho – Associação de Mulheres Vivendo com VIH.

A Rede Lusófona vai ser apresentada no dia 29 de novembro, na Assembleia da República, em Lisboa. Trazendo para o debate convidados de diferentes áreas da saúde pública, é objetivo da sessão de apresentação promover o envolvimento entre os diferentes atores e a reflexão conjunta sobre a participação da sociedade civil na área da cooperação em saúde.

comentários facebook