Banco Sol tem USD 800 milhões para crédito

Banco Sol tem USD 800 milhões para crédito

COMPARTILHE
A A A

O Banco Sol tem disponível para este ano uma carteira de crédito de 852 milhões de dólares americanos, anunciou nesta terça-feira no municipio do Cubal, província de Benguela, o seu presidente, Coutinho Nobre Miguel.

Ao falar a propósito do 17º aniversário do banco, assinalado naquela localidade com a realização de um fórum sobre empreendedorismo, o responsável apontou, igualmente, que o banco possui 210 balcões e 1.750 trabalhadores que atendem 11.700 clientes em todo país.

Depois de ter começado a actividade com apenas duas agências em 2001, a instituição, segundo o mesmo gestor, cresceu com rigor e qualidade na prestação de serviço, o que tem permitido a criação de áreas complementares como a Fundação Sol, Sol Seguros, Sol Viagens, entre outras.

A título de exemplo, informou que, no decurso do Programa do Executivo denominado “Angola Investe”, já extinto, o Banco Sol subscreveu um montante de 100 milhões de dólares, para financiar as empresas.

Para Coutinho Miguel, além desta robustez, em pouco tempo de existência, a instituição converteu-se num bano de proximidade que procura contribuir para transformação da vida real das famílias, promovendo a igualdade, a inclusão social e o resgate da cidadania.

Essa posicionamento e visão de mercado, valeu-lhe a primazia de estar cotado neste momento entre os cinco melhores bancos comerciais de Angola, solidificado numa política creditícia agressiva, que visa atingir os desígnios da diversificação da produção nacional

Por outro lado, informou que no quadro das novas medidas cambiais adoptadas pelo Banco Nacional de Angola, a partir desta terça-feira, o banco sol encontra-se já integrado no processo de atendimento de divisas aos clientes com necessidades reais.

O gestor daquela instituição financeira aproveitou o Fórum de Empreendedorismo na Comunidade para interagir com os operadores económicos dos diversos municípios da província, sobre as políticas de concessão de créditos ao sector produtivo, bem como de micro crédito para o empreendedor principiante.

Reagindo, a propósito dessa iniciativa, Victor Alves, proprietário de uma fábrica de álcool e de uma mini hídrica de 4 MW no município do Caimbambo, elogiou o gesto considerando que são acções desta índole que trazem ânimo aos pequenos e grandes empreendedores no interior do país.

Na sua óptica, discussões semelhantes motivam o sector empresarial a trabalhar mais, combatendo a estagnação que se vive.

“ O facto do banco escolher o Cubal, uma cidade do interior muito promissora, para realização desse fórum e de estar representado ao mais alto nível, é um sinal de estímulo tanto para os que trabalham a terra como os que exercem o comércio ou indústria”, referiu.

Lamentou não se ter falado sobre o “Ouro branco” (Sisal), de que a região do Cubal sempre foi potencialmente rica, chegando mesmo, em tempos idos, de disputar sucessivas vezes o primeiro ou segundo lugar da sua produção mundial, com o Brasil.

Recordou que apesar do desconhecimento de muitos, além do café abundante no vizinho município da Ganda, o Cubal foi a “espinha dorsal” da produção do Sisal em Angola, augurando o retorno desses tempos.

Para Adérito Areias, outro empresário benguelense, com actividade produtiva em grande escala nos sectores salineiro, piscatório, comercial e industrial, referiu que o gesto do banco é muito importante, pois traz mais-valia ao interior de Angola.

Durante o certame, o banco formalizou a assinatura de um contrato de micro crédito no valor de três milhões, 867 mil e 400 kwanzas, tendo beneficiado o jovem empreendedor em projectos agro-pecuários Francisco Mila Daniel, para, entre outros fins, a aquisição de cabeças de gado bovino, adubo, charrua, motobomba e mangueiras para irrigação.

 

comentários facebook