De Benguela, grupo Killer Máfia busca por oportunidades para o engrandecimento da...

De Benguela, grupo Killer Máfia busca por oportunidades para o engrandecimento da sua carreira artística

COMPARTILHE
A A A

Por: Stella Cortêz

Com o objectivo de fazer boa música, orgulhar os ouvintes, atingir outros patamares e contribuir para o crescimento para a cultura angolana, os jovens oriundos da cidade de Benguela, nomeadamente: Gabriel JeCkspy, Eric Sanchez, Carlos Leite, Bebu Geezy, Miguel Fontainhas e Kaymar Correia, decidiram criar o grupo Killer Máfia, que em entrevista ao PLATINALINE contaram detalhes de como tudo começou e o desejo de apresentar os seus trabalhos além-fronteiras.

Os integrantes começaram por dizer que a paixão pelo Rap e pela comunidade Hip Hop surgiu desde que ouviam e viam outros artistas entoarem as suas rimas.

“Encontramos nestes artistas a luz que precisávamos, mas sempre com a missão de criar e inovar, lançamos imensas músicas soltas até há dois anos, quando decidimos apresentar a nossa primeira mixtape intitulada Colômbia, que graças a Deus e ao trabalho árduo tivemos muitos êxitos e canções destacadas no Top Rádio Lobito, que nos levou a conquista do troféu de Melhor Grupo de Música da Província de Benguela, em 2017”, disseram.

Entre diversos assuntos abordados, os rappers esclareceram que no ano seguinte, em 2018, brindaram os fãs com a segunda mixtape denominada “Iraque”, entretanto, depois de muitas lutas que quase os levou a desistirem do grupo, os músicos voltaram a disponibilizar temas novos em plataformas digitais.

“As músicas tiveram uma surpreendente aceitação por parte do público. Apesar das barreiras, fomos destacados como um dos grupos mais promissores da nossa província. Actualmente, o Killer Máfia é constituído por seis integrantes é agenciado pela produtora Dawaz Music, cujo CEO é o Conde dos Bolos”.

Para finalizar, os artistas informaram que pretendem fixar residência em Luanda e, posteriormente, buscar por oportunidades para o engrandecimento da carreira artística e, quem sabe, futuramente apresentar as suas composições em concertos realizados a nível nacional e internacional.

comentários facebook