Clube dos Amantes de Vinho de Portugal realiza jantar de confraternização em Luanda

comentar
7
COMPARTILHE
A A A

Por: Stella Cortêz
Fotos: Assis Júnior

Os Vinhos de Portugal, marca que divulga a imagem de Portugal enquanto produtor de vinhos por excelência, está de volta ao nosso país para promover mais uma reunião entre os membros do já conhecido “Clube Vinhos De Portugal”.

Ontem, 19 de Abril, os membros do referido clube reuniram-se para um jantar no restaurante Vitrúvio, no hotel Epic Sana, em Luanda, com o objectivo de partilhar, de forma descontraída, os conhecimentos sobre alguns dos melhores vinhos de origem lusófona.

O clube existe há três anos e já se tornou uma referência entres os amantes do vinho. Alguns membros já tiveram o privilégio de visitar várias quintas e adegas de vinhos em Portugal, como contou Luís Lopes, jornalista de vinhos portugueses e director da nova revista do sector vinícola Grandes Escolhas. “Estamos muito felizes pela realização de mais um jantar. Ao longo deste tempo, fomos criando laços de amizade, gosto de estar entre amigos, porque são pessoas muito simpáticas, divertidas e todos temos uma paixão comum pelos vinhos portugueses. O clube é composto apenas por homens, mas a ideia é alargar e incluir elementos femininos também”, disse o Luís.

A referida organização tem como membros várias figuras ligadas ao ramo jornalístico nacional tais, como Ernesto Bartolomeu, Sérgio Rodrigues, Pedro N’zagi, José Guerreiro, Heitor Araújo, Sebastião Vemba, Kamuenho de Rosa entre outros.

Sérgio Rodrigues, apresentador do programa Janela Aberta, falou da sua experiência enquanto membro do clube. “Olha, não me via amante do vinho, porque até aos 40 anos não bebia álcool nenhum, mas quando comecei a provar vinhos, isto depois de ser indicado para fazer parte do clube dos amantes de vinho, percebi outras vertentes, não só do consumo, mas também as benfeitorias do vinho para a saúde, conheci a história do próprio vinho e o processo de produção para se chegar a uma garrafa. Daí comecei a ganhar uma paixão por essa bebida e hoje, passado algum tempo, descobri que beber vinho é saborear, é degustar e não propriamente beber para se embriagar que são coisas completamente diferente. Portanto, eu faço parte do clube, cuja especialidade é a prova, degustação, apreciação, análise e depois a divulgação”.

Revisão: Canga Tomás

COMPARTILHE
A A A
Artigo anteriorMiss Terra 2016 Katherine Spin já se encontra em Luanda
Próximo artigoAnna Joyce, Nerú Americano, Puto Português e TRX, adicionados como atrações ao vivo na Vª Edição dos Angola Music Awards 2017
HÉLDER PEDRO, DE COBRADOR DE TÁXI A PROMESSA DA TV NACIONAL Há alguns meses que a televisão nacional ganhou um novo rosto. Hélder Pedro é o “platinado” que todos os sábados apresenta o mais recente programa de televisão sobre o jet7 angolano, no canal Jango Magic, da operadora DStv. A voz naturalmente colocada e a dicção não deixam margem para dúvidas de que a vocação radiofónica está-lhe no ADN. Apesar de ter optado por estudar Ciências Físicas e Biológicas no ensino médio, Hélder era apelidado pelos colegas de o “Bartolomeu da sala”, numa clara comparação a Ernesto Bartolomeu, famoso apresentador do telejornal da TPA 1. Várias foram as vezes que o jovem ouviu dizer que estava a perder-se no curso errado, porque “tinha um grande potencial para o jornalismo”, disse em entrevista à BANTUMEN. Num teste às suas capacidades, em 2008, decidiu criar a Rádio One, onde o seu quarto era o estúdio e os vizinhos a audiência. Uma coluna no terraço e estava criada a primeira rádio a ser emitida no município de Cacuaco. “Tudo o que eu falasse, as pessoas que viviam nos arredores da casa ouviam. O programa da Rádio One começava às 18 horas e tinha como convidados os meus irmãos e primo. O projecto surge com o intuito de entreter as noites da nossa vizinhança, uma vez que havia muita bandidagem no bairro e a zona era muito silenciosa.” Mas antes de chegar às televisões do país através do semanal “Platinando”, as curvas e contra-curvas da vida de Hélder levaram-no a ser pedreiro, cobrador de táxi, taxista e segurança num quintal do pai. Mas a perseverança está-lhe impressa no caracter. Em 2012, o “Bartolomeu da sala” conseguiu chegar à redação da Platina Line, através do pai que conhecia um dos funcionários da empresa. “Por ser bom e talentoso, passei no casting. Comecei como repórter, passei de seguida a fazer o programa de rádio na Kairós e fui promovido mais tarde para apresentador de TV, fazendo até hoje o programa “Platinando” com a minha colega Rosa de Sousa.” Um ano mais tarde, a responsabilidade do jovem trabalhador-estudante tornou-se demasiado pesada e foi necessário optar entre as várias actividades que desenvolvia ao mesmo tempo. “Estudava na Utanga do Capolo, fazia o curso de Electrónica e Telecomunicações e era difícil conciliar os estudos, serviço de táxi “não personalizado” e a Platina Line. Larguei o táxi e os estudos por falta de apoio, pois nessa altura o meu pai já não tinha condições para sustentar os meus estudos. E eu que sempre pensei que ser estudante universitário fosse um mar de rosas e que fosse principalmente fácil pagar as propinas, enganei-me!” Depois de dois anos dedicados à comunicação, Hélder decide voltar a estudar e é actualmente aluno da Universidade Independente de Angola, no curso de Ciências da Comunicação. Numa breve análise à liberdade de expressão dos meios de comunicação nacionais, Hélder Pedro diz que a “Platina Line veio revolucionar a comunicação social em Angola, em particular o mundo do entretenimento. Mas, como infelizmente a nossa sociedade ainda não tem uma mente tão aberta neste campo, encaramos certas informações como abusos contra identidade, o que impossibilita a liberdade de comunicação e muitas vezes de expressão. Como resultado, muitos jornalistas, comunicólogos e não só, vêem-se na obrigação de omitirem determinadas informações”, explica. Entre o online e a TV não consegue designar um preferido e garante que as duas categorias têm as suas vantagens. No entanto, os seus objectivos centram-se em chegar à cadeira de pivô de telejornal e, quem sabe, ser o sucessor do ídolo Ernesto Bartolomeu.

DEIXE UMA RESPOSTA