Dog Murras: “Precisamos estar unidos para orientar os que estão perdidos”

Dog Murras: “Precisamos estar unidos para orientar os que estão perdidos”

COMPARTILHE
A A A

 

Por: Stella Cortêz

Preocupado com a pandemia do novo coronavírus que tão rapidamente transformou o percurso da história e certamente poderá altera os hábitos, costumes e a forma de ser de muitos angolanos e não só, o músico, escritor e activista social Dog Murras apresentou o seu parecer sobre o papel do artistas neste momento crítico.

“Precisamos estar unidos. Os cantores, as figuras públicas desportistas, instrumentistas, pintores, actores, escritores, agentes da polícia, doutores, palestrantes, humoristas, digital influencers e todos os angolanos que apresentam uma forte conexão com a comunidade são chamados a usar o seu capital simbólico e carisma para orientar aqueles que estão perdidos, sem saber como agir agora”, disse.

O activista destaca, ainda, que “esta é uma missão patriótica e todos devem de olhar para o mundo, pesquisar o que acontece e como os outros estão a combater e a vencer esta pandemia. Servimos de referência para indicar às pessoas o caminho, postura e atitude inteligente para atravessarmos sem estresse esta fase crítica. Todavia, agora a recomendação é que todos fiquem em casa.”

A cumprir o distanciamento social, porém sem deixar de trabalhar, o activista conta que está a preparar alguns projectos para os próximos meses, entre os quais consta o seu novo álbum discográfico intitulado “Angola de Ouro no Focinho do Porco”, sendo que ao mesmo tempo finaliza o segundo livro “Todos Contra Todos”, ambas obras sem data de lançamento.

“Geralmente, quando trabalho com arte ou livro, não consigo mensurar datas, porque atrapalha o processo criativo. Como artista, continuo a escrever para o meu próximo álbum, e ao mesmo tempo aproveito os neurônios, enquanto ainda funcionam, vou juntando algumas notas para o meu segundo livro onde apresento o meu ponto de vista sobre o facto das pessoas quererem comer-se umas às outras, sendo que esta é a maior razão que impede o nosso progresso. Nele venho propor saídas. Como empreendedor e motivador social, estou aqui para compartilhar experiências e mostrar para quem quiser, que onde está o rio, é possível pescarmos o nosso peixe sem prejudicar os outros”. Finalizou.

comentários facebook