Edy Lobo apresenta reflexão sobre paixões proibidas no livro “O esposo da...

Edy Lobo apresenta reflexão sobre paixões proibidas no livro “O esposo da minha mulher”

COMPARTILHE
A A A

Por: Stella Cortêz

Um ano após o lançamento do livro “Diário de um Professor (a) Normal”, Edson Mayene Tomás Nuno ou simplesmente Edy Lobo apresentou em Portugal, a sua mais recente obra literária com o título “O esposo da minha mulher”, sob chancela da editora Cordel de Prata.

Segundo declarações do autor e professor de Língua inglesa em conversa com o PLATINALINE, o romance controverso, provocador, contextual e intrigante que comporta 122 páginas, é uma obra escrita para os lutam com a fidelidade desenhada pelos humanos egoístas, mas não sabem como justificar; é uma obra para quem sabe ocultar verdades (des)necessárias sem causar danos emocionais ou ainda para quem gosta de colocar em prática o conceito de “partilha” passional.

“É, sobretudo, o que as pessoas fazem, mas não têm coragem de assumir. E para muitos que fazem acontecer na vida amorosa e apetites sexuais exarcebadas, mas não sabem exactamente como justificar. Existirão razões para explicar o conceito individual de felicidade? Esta obra é fruto de um trabalho árduo e cauteloso de aproximadamente dois anos cronologicamente cronometrados”, contou.

Sobre a escolha do título do livro que espelha uma abordagem completamente diferente em relação ao primeiro, publicado em 2018, Edy Lobo explicou que a vida tem muito mais sabor quando provamos do errado. Aliás, é daí onde as melhores lições saem. Entretanto, o Esposo da minha mulher” é uma reflexão sobre paixões proibidas sob o ponto de vista moral e religioso, mas aceitáveis quando a questão é ser feliz.

“Gosto de escrever sobre vidas. Eu tenho várias vidas. Achei necessário trazer essa temática porque é um assunto que as pessoas não gostam de abordar com tranquilidade. Se o fazem, fazem-no em pequenos grupos de amigos, mas mantendo a imagem de quem não partem prato algum. Todos temos um segredo para contar”, acrescentou.

Questionado se o lançamento do livro em Lisboa foi uma estratégia ou porque as condições no momento assim o permitiram, o autor sublinhou que um dos motivos teve a ver com as inúmeras dificuldades em conseguir patrocínio para o mesmo, já havia perdido a esperança e as pessoas que prometeram ajudar viraram-lhe às costas e, tendo em conta o momento difícil em que o país estava a atravessar, as coisas ficaram ainda mais complicadas, foi quando, por decisão própria, optou por enviar os livros para uma editora em Lisboa. Três semanas depois, obteve resposta acompanhada de elogios e um convite para trabalhar com a produtora Cordel de Prata.

Sobre o livro escrito com bases nas experiências humanas divididas entre factos verídicos e ficção, Edy considera esta uma das suas melhores obras, obviamente sem desprimor a primeira, lançada em 2018.

“Há também muito sobre mim neste livro e todos os que o lerem, sentir-se-ão tocados por uma mensagem intrínseca. Esta é uma obra para quem quer ser feliz mas vive com medo do que os outros vão dizer. Tão logo tenha as condições preparadas, tenciono a apresentação oficial entre os meses de Abril/Maio, e estarão disponíveis apenas 150 exemplares. Portanto, quem chegar cedo vai adquirir e quem não o fizer somente conseguirá adquirir pelo site da editora Cordel de Prata”.

78bc7d82-5d9e-4065-9772-b931544dd163

comentários facebook