“Esta distinção é um incentivo para continuar a lutar pelas minhas causas...

“Esta distinção é um incentivo para continuar a lutar pelas minhas causas e interesses”, diz Israel Campos

COMPARTILHE
A A A

Por: Stella Cortêz

Ao tomar conhecimento que é o segundo estudante na história da instituição “Bellerbys College” a vencer o “ISA Essay Competition 2019”, Israel Campos falou do quão lisonjeado se sente ao conquistar um prémio, que para a sua família e a sociedade angolana, é motivo de orgulho.

“Penso que mais do que um prémio, esta distinção é um grande incentivo para mim, para que continue a lutar pelas minhas causas e interesses”.

O estudante nas terras da Rainha Isabel II começou por dizer que o facto de ter sido premiado por uma coisa que gosta imenso de fazer, aumenta o tamanho da sua felicidade.

“Penso que mais do que um prémio, esta distinção é um grande incentivo para mim, para que continue a lutar pelas minhas causas e interesses. O artigo com o qual venci a competição, como se sabe, é uma reflexão em torno do racismo com um resultado do colonialismo, desde que vim estudar para a Inglaterra que me preocupo bastante com este assunto, pois sinto que origina muitos efeitos negativos na vida de pessoas como eu”, disse o angolano em entrevista ao Platinaline.

Israel Campos é de opinião que para Angola, esta distinção servirá como um elemento de reflexão para a necessidade de se fazer uma aposta maior na formação e incentivo de jovens escritores no país, destacando que se precisa de iniciativas do género em Angola, para que sejam criadas mais oportunidades de promoção de jovens escritores e seus trabalhos.

60225450_2754671904603226_2840436192682442752_n 60118517_2754671891269894_2556472827884601344_n

“O meu apelo é direccionado, em particular, à União dos Escritores Angolanos, aos Ministério da Cultura, Educação, Juventude e Desporto, bem como iniciativas privadas”, disse o jovem angolano.

Para os próximos desafios, Israel pretende continuar a trabalhar como tem vindo a fazer nos últimos anos, com foco, em particular nos estudos e dar voz aos seus anseios e frustrações por intermédio da escrita. O angolano confessou, ainda, que não trabalhou e espera nunca o fazer em função das cobranças ou pressões de pessoas ou sociedade, pois faz aquilo que gosta e acredita.

comentários facebook