Helena dias representa a literatura Angolana no Brasil

Helena dias representa a literatura Angolana no Brasil

COMPARTILHE
A A A

A escritora angolana Helena Dias, participou de uma antologia de textos literários (Antologia Internacional de mulheres escritoras negras África-Brasil), a ser publicada no dia 20 de fevereiro no Estado de São Paulo, Brasil. O livro é uma aposta do projecto raízes e visa criar laços mais fortes entre o Brasil e os países africanos, por meio da arte.

A escritora angolana, participa com um número de 10 poemas no livro com o título “Negras de lá, Negras daqui”, que integra 8 escritoras, das quais 4 africanas (Moçambique, Angola e Camarões) e 4 afro brasileiras. E estará presente em diversas actividades no Brasil onde vai representar Angola.

O projecto raízes, foi criado por Isidro Chiculo Sanene, coordenador geral e Ermildo Saraiva Panzo, coordenador de literatura, que têm vindo a unir esforços para que a relação do Brasil, país em que residem e os países africanos seja cada vez melhor a nível da transmissão de valores culturais, em honra das transcendências culturais África-Brasil, bem como contribuído para a promoção da cultura que une a diáspora africana e afro brasileira.

Negras de lá, negras daqui Flayer Helena

Sobre o projeto Raízes
O Projeto Raízes, é um grupo formado por jovens artistas, acadêmicos e ativistas africanos residentes no Brasil. O seu principal objectivo é a promoção e elevação da cultura africana no Brasil, valendo-se ao apoio da lei de incentivo a cultura, do programa VAI II, juntou uma coletânea de textos literários que resultou na obra “Negras de lá, negras daqui”.
Dentre a construção e massificação das múltiplas artes e cultura africana, o Projeto se destaca com maior amplitude em atividades ligadas à literatura, sendo que:
Promove a literatura africana e a integração cultural de todos os povos, incentivando e divulgando a possibilidade dos imigrantes acessarem políticas públicas de cultura no Brasil;
Facilita o acesso às expressões culturais dos países africanos e contribui com o resgate histórico cultural sobre uma África que não parou com o processo da escravatura;
Mostra uma nova África por meio dos artistas ligados ao projecto.

comentários facebook