Laritza González mostra-se feliz por estar entre os nomeados para um evento...

Laritza González mostra-se feliz por estar entre os nomeados para um evento que distingue profissionais angolanos.

COMPARTILHE
A A A

Por: Stella Cortêz

Há quatro anos a residir em Angola, a cubana Laritza González, Coordenadora do Curso de Comunicação Social do Instituto Superior Técnico de Angola – ISTA e jornalista da rádio MFM, tem uma admiração e respeito muito grandes pelo povo angolano, particularmente da forma como encaram a vida, falou da parceria com a rádio MFM e da satisfação que sente ao ser a primeira estrangeira nomeada para um evento que distingue profissionais angolanos.

A jovem, formada em Comunicação Social pela Universidade de Oriente de Cuba e mestranda em Gestão de Recursos Humanos pela Universidade Lusíada de Angola, encaixou-se perfeitamente na realidade angolana, um aspecto que lhe faz sentir em casa. É docente universitária nas disciplinas de Géneros Jornalísticos, Jornalismo Investigativo, Comunicação Organizacional e Técnicas de Produção Radiofónica.

Maiores dificuldades

“Não tenho grandes dificuldades na hora de leccionar no que tange à língua, falo espanhol, italiano e já estudei basicamente o francês, portanto aprendi o português com muita facilidade. A semelhança entre essas línguas ajudou-me muito, e pode ter a certeza que na sala de aula falo apenas português. Relativamente as minhas aulas, são muito na perspectiva de ouvir as preocupações dos estudantes, sabemos que o processo de ensino aprendizagem tem as suas especificidades, então eu me foco mais nas atenções particulares que precisam os estudantes”, disse.

Comunicação Social Angolana

Tenho a percepção de que a tendência é crescer cada vez mais, admiro e respeito muitos dos profissionais mais velhos da radio em Luanda, os considero grandes figuras. Mas vale dizer que também existe uma nova geração que tem-se preocupado por acompanhar as novas tendências, as próprias tecnologias de informação e comunicação tem ajudado na pesquisa e solidificação dos profissionais que precisa o mercado.

Parceria com a Rádio MFM

“A MFM está no mercado angolano apenas há três anos e não obstante o pouco tempo tem conquistado uma audiência fiel e um espaço muito importante na radiodifusão nacional, não só os prémios dão conta disso, mas também a preferência do público. A MFM abriu-me as portas para realizar o meu projecto, e devo agradecer pela aposta e a confiança depositadas em mim. Eu faço rádio há vinte anos, comecei muito cedo, em Cuba trabalhava como apresentadora de rádio e televisão. Portanto, chegar a um país tão diferente do meu em muitos aspectos, e ter a possibilidade de continuar a fazer rádio, é uma bênção e uma felicidade que enche o coração”.

Primeira estrangeira nomeada para um evento que distingue profissionais angolanos

Já fui nomeada para a primeira edição dos Globos de Ouro Angola na categoria de Melhor Radialista Feminino, e quando recebi a notícia da nomeação para a segunda edição, fiquei com um aperto enorme no coração de tanta felicidade. Sim, perguntei-me como é possível que com tantas locutoras nacionais de qualidade, eu estava nomeada. Mas depois entendi que deveu-se ao facto de ter pessoas experientes na área que olham para mim com muita atenção e valorizam o meu trabalho, algo que faço com dignidade, responsabilidade e profunda consideração pelo publico. Tenho muito respeito pelas profissionais angolanas da comunicação social, pelas mulheres angolanas em geral por considerá-las guerreiras naturais, mas acredito que o valor agregado que a Academia dos Globos vê em mim, é para agradecer e aceito esta forma de me valorizar com muito carinho”, finalizou a jornalista e docente universitária.

comentários facebook