Opinião: A produção televisiva em Angola e o seu retrocesso com o...

Opinião: A produção televisiva em Angola e o seu retrocesso com o avanço dos tempos

COMPARTILHE
A A A

Por: CAnga Tomás

Depois de muitas constatações e, finalmente, depois de assistir a vários programas dos diferentes canais de televisão do nosso país na passada sexta-feira, Dia Internacional da Criança, pude perceber que a produção televisiva feita no país, de acordo com a evolução dos tempos, ainda é uma miragem.

Todos os dias vemos e ouvimos as pessoas dizer que criança é uma prioridade absoluta, mas os seus problemas ou mesmo espaço para elas em televisão, até mesmo no seu dia, 1° de Junho, lhes foi negado. Não se admite que os canais de televisão não deem espaço às crianças, num dia em que quase nada para elas resta depois de a data deixar de ser feriado com a aprovação, em 2011, da proposta de lei dos feriados que transformou o dia em data de celebração nacional, o que implica ser um dia normal de aula para os petizes e de trabalho para os pais, e que só falem sobre criança nos seus serviços de notícia.

Conquistar, prender e manter a audiência em televisão não é fácil, porém não é coisa de outro mundo, logo é algo possível de se fazer. E a melhor forma de se publicitar um canal de televisão, mantendo a sua audiência e conquistando mais telespectadores, é fazê-lo publicitar-se a si mesmo. Ou seja, a grelha de programação de qualquer canal faz dele autossuficiente ou não em questões de publicidade, pois é através daquilo que cada um deles mostra aos telespectadores que as pessoas escolhem se assistem ou não, e apegando-se a estes aspectos, foi desagradável ver, em pleno Dia Internacional da Criança, programas de alguns canais na sua zona de conforto, sem exibir conteúdos que fizessem jus à data: sem crianças, quer como plateia quer como convidados; sem uma imagem visual que logo de primeira denunciava que o programa está a festejar a efeméride (sem adornos infantis como balões, sem brincadeiras, e outros atractivos que divertem as crianças e que podem ser levados em televisão num dia especial para elas).

Até sei que o país está em crise, que não há dinheiro e que as empresas estão a fazer contenção de custos, contudo será que isso é justificação suficiente para que os produtores de programas televisivos não criem, não se reinventem e nem consigam fazer um programa à altura para uma celebração como foi caso do Dia Internacional da Criança?! Será que o país não tem crianças que fazem arte e que podem ser convidadas no seu dia para mostrar o seu trabalho?! Será que o país não tem crianças que possam ser convidadas para falar sobre algum tema ou da sua vida como estudantes e das suas aspirações?! Será que não há empresas interessadas em associar a sua marca a um programa ou canal de TV a fim de oferecer bens ou serviços em troca de uma publicidade directa ou indirecta?! Será que um programa de entretenimento não pode dedicar as suas duas ou uma hora diária para criar momentos de pura diversão para os pequeninos?!

Acho que já está na hora de se fazer produções televisivas com qualidade, e já temos quem o faz e com uma certa e inovação, e isso também constatei neste dia, e está de parabéns este canal de TV pela sua ousadia e criatividade. Como diz o velho ditado: Quem quer fazer algo sempre encontra uma maneira e quem não quer fazer sempre encontra uma desculpa. E digo de boca cheia que muitas das más produções que se registam em televisão (nos mais variados aspectos) não se dão por falta de dinheiro ou devido à crise, porém por falta de organização, disciplina, planificação, trabalho em grupo, colaboração, iniciativa, má gestão de grupo por parte do líder e outros aspectos.

Televisão é coisa séria e não é negócio para amadores. Seria bom se os produtores de TV, o coração de tudo, aprendessem muito usando a observação, pois ela é também uma das formas de aquisição de conhecimento; que fossem mais atentos com a evolução dos tempos, pois a Internet é um dos grandes concorrentes da televisão nos dias de hoje. As pessoas têm, de facto, que ver algo que as atraia para ficarem presas diante de qualquer programa. Angola é um país com muita coisa interessante que se pode mostrar em televisão e fazer dela líder de audiência, basta os produtores serem mais atentos com o que veem no Facebook e noutras redes sociais, no seu dia-a-dia, informações e factos que pode ser usados como suporte para as suas produções diárias.

E às vezes me pergunto: será que os PCA e/ou os directores destes canais televisivos não assistem aos diferentes programas da grelha dos canais que dirigem?! Será que eles não veem que estes canais escrevem mal os oráculos e que, em muitos casos, convidam pessoas erradas para falar sobre certo tema?!

comentários facebook