Restaurante Poema do Semba de Paulo Flores abre as portas em Lisboa

0

O novo restaurante em Lisboa, do artista angolano Paulo Flores foi projectado pelo atelier angolano de arquitectura METAPOLIS, com um conceito que une a poesia, a música e as refeições gourmet.

Desenhámos  um  restaurante de música ao vivo para o cantor e compositor Paulo Flores, cujo espaço  fale da poética e da  alma da música do autor. O conceito do qual partimos foi a Capilaridade Poética da sua Música.

 

Pensando que a Música e a Poesia são artes universais, desenvolvemos o projecto de forma a  que  o texto poético e as letras das canções estivessem presentes na percepção geral do espaço e em cada momento da utilização do restaurante.” Afirma Maria João Teles-Grilo, autora do projecto.

Uma linha de luz que propaga frases poéticas recebe o convidado e desce com ele até ao espaço, acompanhando-o sempre.

Pretende-se que ao descer as escadas o utente apreenda este conceito através de uma imagem forte e dominante desta capilaridade. Esta imagem é reforçada pela possibilidade de cada pessoa ir lendo excertos poéticos à medida que percorre o espaço e mesmo quando está sentado a comer. A poesia do Semba está assim sempre presente.

A materialização do conceito foi feita através de um desenho de base orgânica com referência às raízes de um imbondeiro que vão definindo as áreas de refeição, separadas por muretes baixos, em forma de pétalas de flores em homenagem ao cantor/ compositor em cujos topos de luz estão escritos os poemas.

 

poema2.jpgpoemadosemba1.jpg

 

A poesia enche-nos de luz e pela luz cantada, ela é presença em nós” Termina Maria João Teles Grilo.