Tinawc leva quatro criadores angolanos à fnb joburg art fair 2018

Tinawc leva quatro criadores angolanos à fnb joburg art fair 2018

COMPARTILHE
A A A

A Galeria This Is Not A White Cube (TINAWC) vai apresentar-se pela primeira vez na 11ª Edição da FNB Joburg Art Fair, com a representação exclusiva de quatro artistas angolanos – Ana Silva, Cristiano Mangovo, Januário Jano e Nelo Teixeira – naquela que é considerada maior mostra internacional de arte contemporânea do continente africano, e que irá decorrer em Joanesburgo, de 6 a 9 de Setembro de 2018, no Centro de Convenções de Sandton, com curadoria da sul-africana Amy Ellenbogen.

Os quatro artistas angolanos irão apresentar trabalhos novos, criados especificamente para esta mostra. Ana Silva irá exibir seis obras com uma técnica mista de rendas, bordado, tecidos e tinta-da-china sobre acetato e uma instalação. Nelo Teixeira criou quatro obras em acrílico sobre papel plástico reciclado, com rebordo em tecido. Januário Jano irá apresentar um trabalho em técnica mista, tecido, desenho e impressão fotográfica sobre tecido, enquanto Cristiano Mangovo criou três novas obras em acrílico sobre tela.

A FNB Joburg Art Fair é a principal feira de arte no continente africano e assume um papel crucial no apoio e promoção da arte contemporânea de África e da sua diáspora. A mostra constitui-se um espaço privilegiado de encontro para as principais galerias internacionais, artistas, colecionadores, pensadores e amantes de arte, que se reúnem no evento com objectivo de reforçar a divulgação e o investimento na arte contemporânea africana.

Para a edição de 2018 foram selecionadas mais de 45 galerias de 14 países de África, Europa e Estados Unidos, com uma representação particularmente forte do continente africano que integra expositores de Angola, Etiópia, Gana, Moçambique, Namíbia, Nigéria, África do Sul, Uganda e Zimbábue.

Na edição 2018 da FNB Joburg Art Fair, os artistas Ana Silva e Cristiano Mangovo estão nomeados para o prémio do Novo Artista Africano Mais Influente (Africa’s Most Influential New Artistic Talent). As votações são efectuadas no website da feira já a partir do mês de Agosto (http://fnbjoburgartfair.co.za/fnbjaf20/) e serão conhecidos os resultados no final da exposição.

As dinâmicas especiais da feira incluem uma série curatorial de Projetos Especiais, um Programa VIP que irá receber diversos curadores internacionais e diretores de instituições como Tate Modern, Bienal de Veneza, Centre Pompidou e Performa, além de um Programa de Palestras que convida figuras do mundo da arte, filósofos e críticos a participar em painéis de discussão e debate. A FNB Joburg Art Fair também terá a oitava edição do FNB Art Prize – uma grande oportunidade para um artista realizar um novo trabalho durante a feira.

Sónia Ribeiro, fundadora e Directora da This Is Not A White Cube, acrescenta: ” O trabalho dos criadores angolanos está a começar a ganhar um espaço próprio no panorama artístico internacional. São já vários os exemplos de artistas contemporâneos que mostram e são convidados a levar os seus trabalhos a alguns dos mais importantes espaços de divulgação de arte, um pouco por todo o mundo. Para a TINAWC é um privilégio, mas também um orgulho, representar estes quatro artistas angolanos naquela que é a maior feira internacional de arte em África. Este convite que nos fizeram traduz, também, um reconhecimento da qualidade das criações destes artistas angolanos, e é o resultado de um percurso evolutivo natural, num mundo cada vez mais globalizado, onde a arte é uma linguagem universal”.

| ANA SILVA BIO|

Nascida em Luanda mas a viver entre Luanda e Lisboa, Ana Silva frequentou o curso superior de Desenho e Pintura do ARCO, em Lisboa. Participou em diversos colectivos de artistas, nomeadamente, no Museu de História Natural e no Museu da América em Madrid, bem como no Palácio Ribamar em Lisboa, Galeria do Banco Económico em Luanda e em diversas galerias portuguesas e angolanas, tais como na Galeria Matos Ferreira e na This is Not a White Cube. Artista convidada para a Expo Mundial em Milão em 2015 e para vários outros projectos institucionais.

| CRISTIANO MANGOVO BIO|

A paisagem africana de hoje oferece novas formas de reflexão e de diálogo em todos os aspectos. Mudança, velocidade e surpresa são constantes. Energia, urgência e emoção são uma presença nutritiva e por isso fértil. Cristiano Mangovo, através da sua criatividade, faz um exercício do equilíbrio de poder , e suas contradições, entre uma sociedade que está em constante mudança e o questionamento dessa mesma sociedade. Desenvolvimento e evolução não são forçosamente sinónimos, mas não se contradizem. Comprometido com as principais questões específicas do contexto em que opera, como a protecção ambiental, os direitos da mulher, ou temas como o consumismo, os valores humanos, as relações sociais ou o urbanismo, o artista tem como framework a paisagem urbana e as cenas da vida quotidiana.

| JANUÁRIO JANO BIO|

Artista visual, nascido em Luanda (Angola), Januário Jano vive e trabalha entre Luanda, Londres e Lisboa. Em 2005, o artista terminou a sua graduação na Universidade Metropolitana de Londres, Inglaterra, e desde então está envolvido em projectos de pesquisas que têm sido o centro do seu trabalho artístico. Januário Jano trabalha principalmente com pintura, instalação, vídeo e fotografia, usando mistura de media e material para desenvolver um corpo de trabalho relevante nos rituais do seu trabalho.

Em 2016 foi premiado com Art Laguna Prize na categoria Business for Art, um dos mais prestigiados prémios de arte em Veneza, Itália. Em 2015, participou da exposição colectiva, “UNORTODOXO”, no Museu Judaico de Nova Iorque, exibição que teve como curadores Jens Hoffman e Kelly Taxter. Considerado como um dos mais proeminentes artistas angolanos, segundo os críticos de arte, Januário Jano foi, em 2013, um dos convidados do Goethe Institut-Angola como artista visitante a participar no projecto “África Em Movimento” em Doual ́Art, na cidade de Douala nos Camarões. Em 2014 esteve envolvido na “Ilha de São Jorge” um projecto da Beyond Entropy com curadoria de Paula de Nascimento e Stefano Rabolli Pansera.

| NELO TEIXEIRA BIO|

Interessado na transformação e reinvenção de resíduos, detritos, “lixo” para lhes dar uma nova utilidade, através da descontextualização do objecto e da possibilidade de poder restaurar um sentimento, uma ideia, construir uma história, chamar a atenção para uma situação, Nelo Teixeira é um luandense que se fez artista dentro das oficinas da UNAP (União Nacional de Artistas Plásticos) onde estudou pintura e escultura, formando-se em carpintaria e cenografia. A família de Nelo herdou a arte de criar máscaras. Também desempenha um papel importante na comunidade artística de Luanda, onde ensina algumas das suas técnicas à geração mais jovem. Nelo Teixeira tem exibido regularmente desde 2000, e tem feito a cenografia de numerosas peças teatrais e cinematográficas. Artista representado pelo Pavilhão Angolano na Bienal de Veneza de 2015, Nelo expôs em Angola, Lisboa e Milão.

| TINAWC|

A TINAWC é uma galeria de arte com o foco na representação de artistas contemporâneos angolanos e estrangeiros e no desenvolvimento de projectos artísticos e culturais.A galeria serve de plataforma de representação, experimentação, afirmação e lançamento de projectos, exposições, comissões de artistas, mostras de colecção, projectos de residências artísticas, arquivos, workshops, palestras, filmes, pesquisas, simpósios e publicações. A TINAWC representa e trabalha com artistas, com o envolvimento de curadores e historiadores (angolanos e internacionais) com uma abordagem estruturada, criando diálogos através de pontes dentro e fora de África.

comentários facebook