Inicio Especiais Actualidade Angola rende homenagem às vítimas do massacre da Baixa de Cassange

Angola rende homenagem às vítimas do massacre da Baixa de Cassange

Esta segunda-feira, 4, é Dia de Celebração Nacional. Os angolanos recordam nesta data o massacre da Baixa de Cassange, um acontecimento que, há 60 anos, dizimou milhares de vidas de angolanos e marcou o início da contestação à ocupação colonial e à exploração dos naturais, sobretudo o desrespeito aos padrões básicos da vida humana.

Em homenagem aos compatriotas assassinados pelo exército português na região da Baixa de Cassange, província de Malanje, foi instituído o 4 de Janeiro, Dia dos Mártires da Repressão Colonial.

Tudo começou quando contratados da região da Baixa de Cassange, agastados com o trabalho forçado, paupérrimas condições laborais, rendimento salarial ínfimo, decidiram paralisar o cultivo de algodão para a empresa Cotonang.

Estes trabalhadores eram retirados das suas aldeias e obrigados a cultivar algodão nos terrenos indicados pela Cotonang, Os únicos rendimentos dos agricultores apareciam no final de cada campanha com a venda obrigatória do algodão à Cotonang que estabelecia preços reduzidos e frequentemente comprava produtos de primeira classe a valores de segunda.

A cada camponês era imposto o cultivo de um hectare sendo obrigado a vender toda a produção a preços estabelecidos pela Companhia Algodoeira.

Por exemplo, um quilograma de algodão era comprado pela Cotonang a um escudo. Nesse momento, a administração colonial tinha subido o Imposto Geral Mínimo de 250 para 350 escudos.

Isto significava que um camponês contratado, para pagar o Imposto Geral Mínimo, tinha que vender pelo menos dez sacos de 50 quilos de algodão, ou era obrigado a contrair dívidas para a amortização na colheita seguinte.

Em 1961, a região tinha 150 mil habitantes e os campos de algodão quase 85 mil agricultores e suas famílias, todos coagidos a cultivar e vender algodão.

A exploração laboral e opressão, aliada ao fim da II Segunda Guerra Mundial e à independência de países africanos, com destaque para o antigo Congo Belga, actual República Democrática do Congo (RDC), cujo território partilha uma fronteira de 2511 quilómetros com Angola, levaram ao surgimento de um amplo e forte movimento reivindicativo levado a cabo pelos camponeses dos centros agrícolas da Baixa de Cassange.

Apesar de esta data ser considerada um marco importante da História de Angola, à luz de uma lei adoptada em 2011 pela Assembleia Nacional, o dia 4 de Janeiro deixou de ser feriado nacional e passou a Data de Celebração Nacional, o Dia dos Mártires da Repressão Colonial.

Noticia realacionada

Leia tambem