- Publicidade -

More

    Capítulo II: Mãe…Solteira e…Poderosa

    em

    |

    Visualizações

    and

    comentarios


    • No capítulo anterior fizemos a apresentação das mães solteiras. A primeira história foi a da Mónica. Hoje, ficaremos a conhecer a história da Melissa.

     – Ola, eu sou a Melissa. Não vou revelar a minha idade. Por opção. Bem. O que vos vou contar não é uma história fácil, e um drama que carreguei durante anos e se hoje me sinto confortável para vos contar, e porque sinto que tenho uma divida com aquelas mulheres que passaram pelo mesmo. Tenho lido muitas histórias semelhantes a minha que infelizmente tem fim trágico.

    Bem, vou resumir a história. Assim como a Mónica, conheci o pai do meu filho numa noite mas foi na discoteca. Começando assim parece ate que a historia aconteceu de forma normal, pois, chama-lo de pai do meu filho ainda me causa um certo incomodo mas devo admiti-lo: ele é o pai do meu filho. Bem, nessa noite fui a discoteca sozinha, havia combinado com umas amigas. Fui la ter de Taxi. Cheguei, juntamo-nos e curtimos a noite como qualquer jovem normal. Gostava imenso de dançar e sei que de certa forma chamava atenção dos homens, mas nunca fui de provocar. Enfim, ao longo da noite, um moço aproximou-se de mim e sem mais nem menos pediu-me o contacto do celular.

    Eu sequer respondi. Olhei para ele de soslaio e me levantei. Para mim já estava na hora. Despedi as minhas amigas, levantei-me e passei pelo moço que continuava ali especado a olhar-me. Parecia chateado pelo facto de o ter ignorado. Enfim, não liguei á mínima e saí. Fui ao parque de Taxis e no momento não havia nenhum disponível. Nisto oiço uma voz bem na minha orelha a dizer: “Se quiseres levo-te a casa”. Virei-me e fitei o moço, era o mesmo que me havia pedido o número de telemóvel dentro da discoteca.

    Quis sair sem responder, mas ele prendeu-me pelo braço e repetiu: “Se quiseres levo-te a casa”. Eu pedi-lhe para largar-me o braço mas ele ignorou. O mais estranho é que apesar de estar a debater-me com ele, as pessoas ao nosso redor, passavam sem se preocuparem com o que estava a acontecer. Eu até me senti envergonhada e disse-lhe que se me largasse o braço iria na boleia dele. No fundo eu não conseguia perceber o porque de o moço me ter perseguido.

    Nunca o tinha visto antes e tinha certeza de que ele também não. Enfim, respirei fundo e quando ele me soltou o braço sai a correr. Entrei novamente na discoteca e fui ter com as minhas amigas. Estava trémula pois por segundos não entendi o que o moço queria. Contei-lhes o que havia sucedido e uma delas disse-me para ficar descansada pois conhecia o moço e era do tipo que quando quer algo não desiste. Ela presumiu que ele se havia apaixonado por mim e que não era necessário ter medo. Decidimos ir juntas para casa e novamente com elas, fui ao estacionamento dos Taxis mas ainda não havia algum disponível. O moço ainda se encontrava lá. Acabamos indo na boleia dele. Eu, por incrível que pareça, seria a última a ficar em casa devido as rotas que usamos.

    Parecia mais calmo. Desci do carro e ofereceu-se para deixar-me a porta de casa e eu disse que não seria necessário. Aceitou a minha imposição e permaneceu no carro. Atravessei a estrada e fiquei parada do outro lado vendo-o a ir-se embora. Tinha alguns metros por andar ate chegar ao portão que dava acesso a minha casa. Abri o portão e antes que o empurrasse um braço forte puxou-me e tapou-me a boca. Fiquei em pânico. O que estava a acontecer? Tentei gritar, espernear mas nada.

    Aquele braço tinha uma forca incrível. Ainda tentei segurar-me a maçaneta do portão mas foi em vão. Fui levada para dentro de um carro e amordaçada. Então vi que era um homem, com o rosto encapuzado. Vocês não imaginam o medo, o pânico enfim…, só pensava que ia morrer e ao mesmo porque e que não havia aceitado que aquele moço me acompanhasse? Fiquei quieta e não me mexi. Mas a minha cabeça já começava a doer de tantas coisas horríveis que me estavam a passar nela e que me pudessem ocorrer. Não demoramos a estacionar num descampado. Ele desceu, abriu a porta e… foi logo tentando tirar-me a calça. Logo percebi o que estava prestes a acontecer. Tentei gritar e ele deu-me uma chapada e disse-me que não adiantava gritar pois ninguém haveria de escutar.

    Tirou-me a mordaça e a única coisa de que me lembrei foi de pedir que pelo menos usasse a camisinha/preservativo. Ele não ligou a mínima. Amarrou-me os braços e após despir-me consumou o acto. Eu não me movi. Enquanto ele se movimentava dentro de mim eu só pensava em morrer e por alguns minutos desejei que após isso ele me matasse. Porem, um “click” aconteceu na minha mente. Aquela voz não me soava estranha. Olhei para o moço mas ainda trazia o capuz a cobrir o rosto. Ele terminou e arrumou-se, vestiu-me, colocou-me em posição no carro, entrou, pôs o carro a funcionar e… arrancou.

    Foi deixar-me na porta de casa.

    Quando o carro arrancou reparei que já o tinha visto antes de algum lugar e… aquela voz. Era afinal do moço que havia conhecido há pouco na discoteca. Naquele momento perdi os sentidos e não me recordo o que mais terá acontecido, só sei que despertei com a minha mãe ao meu lado numa cama de hospital. Desde aquele dia foi tudo um processo traumático. Não contei aos meus pais o que me havia sucedido. Mantive segredo até para as minhas amigas. Decidi resolver tudo sozinha, o que não foi correcto pois só me afundava. Não queria mais sair de casa e ninguém compreendia as minhas atitudes. Levei muito tempo até que num belo dia comecei a sentir-me tonta e perdi os sentidos no meio da rua. Despertei e vi á minha volta um aglomerado de pessoas. Fiquei assustada e uma senhora ajudou-me a levantar. Foi tudo muito rápido. Alguém ofereceu-se a levar-me ao hospital ou á casa. Eu preferi ir para casa mas não aceitei que me levassem. A senhora que me havia ajudado fez questão de me acompanhar mesmo a pé. Deixou-me em casa e a primeira coisa que fiz foi ir a correr á casa de banho pois estava enjoada e só me apetecia vomitar. Enfim amigas, a minha história é super longa – Melissa fez uma pausa e desatou a chorar!

     OBS: Caros Platinados, esta história continua no próximo capítulo: ‘’ Melissa faz teste e descobre que está grávida. Após a descoberta, ganha então coragem para fazer o teste do HIV, abre o resultado e se surpreende…as lágrimas caem grossas e chora

    Share this
    Tags

    A Bombar

    Proposta de Lei dos Crimes de Vandalismo de Bens e Serviços Públicos – Quem destruir património pode ir 15 anos para a cadeia

    O Conselho de Ministros de Angola, reunido sob a orientação do Presidente João Lourenço, examinou três propostas de lei destinadas à Assembleia Nacional. Em...

    Ministro da Cultura de Angola e Maria Borges Buscam Parcerias Internacionais para Música Angolana”

    O Ministro da Cultura, Filipe Silvino de Pina Zau, recebeu em seu gabinete a renomada modelo internacional Maria Borges, que também exerce o cargo...

    JEO MC estreia-se como atleta de MMA e sagra-se campeã nacional

    Por: Helder Lourenço A gladiadora dos Reis de Rompimento Primeira Liga (RRPL), Jeorgina Ludmila, conhecida nas lides artísticas como Jeo MC, estreou-se como atleta de...

    - Publicidade -

    Artigos Recentes

    - Publicidade -

    Mais como isto