- Publicidade -

More

    Exército britânico pode ter assassinado a princesa Diana, dizem jornais

    em

    |

    Visualizações

    and

    comentarios

    A Scotland Yard estuda novas informações sobre a morte da princesa Diana e de seu namorado, Dodi Al-Fayed, que, segundo a imprensa britânica, revelariam que o casal pode ter sido assassinado pelas tropas de elite das Forças Armadas britânicas.

    A polícia britânica anunciou no sábado estar estudando “a relevância e credibilidade” das informações sobre a morte de Diana e seu namorado em um acidente de carro na capital francesa em 31 de agosto de 1997, juntamente com o motorista, Henri Paul. “A avaliação será feita por oficiais especializados da polícia criminal”, acrescentou a Scotland Yard, sem detalhar a natureza das informações.

    diana-princesa-afp

    Segundo a imprensa britânica, as informações teriam sido transmitidas à Scotland Yard pela polícia militar real. O Sunday Telegraph, que cita uma fonte militar, indica que as informações procedem dos ex-sogros de um membro das forças especiais britânicas que depôs este ano no julgamento de Danny Nightingale, soldado do Serviço Aéreo Especial (SAS) condenado por posse ilegal de armas.

     O homem que teria sido a fonte das informações, conhecido como “Soldado N” no julgamento, também foi declarado culpado por posse ilegal de armas.

    Segundo o jornal, os ex-sogros escreveram para o comandante do SAS explicando que o militar confessou à ex-mulher que sua unidade teria “orquestrado” a morte da princesa, e que a mesma foi “encoberta”.

     A polícia, que não deu declarações sobre a natureza das informações, insistiu em que não houve uma “reabertura da investigação”, e assinalou que os dados não constam da “operação Paget”. Este foi o nome da investigação realizada pela polícia sobre as teorias de complô envolvendo o acidente, que se multiplicaram. A conclusão foi de que todas careciam de fundamento.

    As novas informações são divulgadas às vésperas do 16º aniversário do acidente, do qual o único sobrevivente foi o segurança do casal, Trevor Rees-Jones.

    A investigação realizada na época pelas polícias francesa e britânica concluiu que o acidente de carro aconteceu devido ao estado de embriaguez do motorista, Henri Paul, que circulava em alta velocidade pelas ruas de Paris para escapar dos paparazzi.

    Uma porta-voz da realeza indicou que os príncipes William e Harry, filhos de Diana, bem como o príncipe Charles, não desejavam comentar o assunto. O Ministério da Defesa britânico assumiu a mesma posição. Um porta-voz de Mohamed Al-Fayed, pai de Dodi Al-Fayed, disse que ele “está interessado em ver os resultados” do estudo das informações.

    Durante anos, o milionário Mohamed Al-Fayed, pai de Dodi e ex-dono da loja de departamentos Harrods, afirmou que a morte do casal foi resultado de um complô tramado pelo príncipe Philip, marido da rainha Elizabeth II, e executado pelo serviço secreto britânico para evitar que Diana, mãe de um futuro rei da Inglaterra, casasse com um muçulmano.

    Diana, que morreu aos 36 anos, casou-se em 1981 com o príncipe Charles, herdeiro da Coroa britânica. Os dois se separaram em 1992 e se divorciaram em 1996.

    Share this
    Tags

    A Bombar

    TAAG põe fim a acordo com Hi-Fly e volta a assegurar na totalidade voos Luanda-Lisboa

    No seguimento do plano de manutenção e recuperação da frota e, no sentido de responder melhor às necessidades do mercado e a estratégia de...

    Hildebrando de Melo na 15º Bienal de Havana em Cuba

    A 15ª Bienal de Havana, que ocorrerá de 15 de novembro de 2024 a 28 de fevereiro de 2025, contará com a presença do...

    Florêncio Handanga homenageia legado musical do pai com lançamento de “Ya papa”

    Florêncio Handanga, filho do saudoso músico Justino Handanga, irá lançar uma nova música intitulada “Ya papa” no próximo dia 18 de Maio, como uma...

    - Publicidade -

    Artigos Recentes

    - Publicidade -

    Mais como isto