Músico cristão angolano, com uma carreira firme no mercado nacional e com passagem pelo mercado internacional, concretamente no Brasil, Gonçalves Diogo falou ao PLATINALINE do quanto a classe artística musical em Angola sofre pelo facto de não existir fábrica de produção e edição de CDs, tanto no estilo gospel como nos demais. “A classe artística musical sofre muito com a falta de fábrica de produção e edição de CDs, não temos pelo menos uma indústria de sonoplastia no país, produção e reprodução de material audiovisual, nem para música sacra, pelo menos nunca vi, isso é muito grave, ainda precisamos recorrer ao exterior para melhor produção, o acabamento é sempre fora do país”, disse.

Gonçalves aproveitou para fazer uma resenha de seu 2020, e previsão para este ano. “Em 2020, tudo estava parado, a classe artística foi das mais afectadas com toda essa situação, fecharam-se as salas, o número de eventos reduziu, a capacidade financeira dos nossos clientes consumidores reduziu drasticamente, para este ano, tenho vídeos por gravar e também espero por patrocínio, porém, tenho casamentos agendados e o segundo CD está também a ser pronto, no tempo de Deus, tudo há de ser revelado”, finalizou.

Por: Leo Bernardo