Parte II -Como influencia o Kuduro a moda angolana?

0
184

 

Com o novo milénio chegaram também, novas interpretações do kuduro. Deixando as bases convencionadas pelo qual era conhecido, este fundiu-se ainda mais com ritmos da World Music, House, Techno, Hip Hop e Pop. Também foram sentidas diminuições significantes no número de rimas e na velocidade das mesmas. Chegando a ser produzido pela primeira vez fora do território angolano.

Um dos melhores exemplos deste intercâmbio variado entre “samples” de outros géneros musicais é a banda Buraka Som Sistema. Radicada em Lisboa, Portugal transmitiam uma abordagem diferente do kuduro convencional, a que auto dominavam Kuduro progressivo. O primeiro álbum, datado de 2006 “From Buraka to the World” era uma apresentação nítida deste novo som que tinha as suas raízes claras em Angola, mas reformulada com uma visão europeia. A banda acabou por se tornar num fenómeno de vendas a nível mundial, e embaixadora do Kuduro a nível mundial. Tocando nos principais palcos internacionais.

No procedimento desta nova era inovadora e de constante transformação em que se encontrava o Kuduro, em 2010 aparece Cabo Snoop. O jovem angolano contava com um visual apelativo, musicalidade diversificada, e tinha a internet como principal veículo para contacto com os seus fans. Em menos de dois anos, além de ter sido reconhecido no continente africano, através de prémios como MTV Africa Music Awards, contou com varias colaborações com outros artistas internacionais.

 

A verdade é que se existe algum tipo de receita para o sucesso, Cabo Snoop parece a ter descoberto. Conta com uma legião de fans que não olha a barreiras etárias e que seguem a par e passo todas as suas mudanças de visual. Desde as skiny jeans coloridas, combinadas com t-shirts com grafismos expressivos, a cortes de cabelo desnivelados e multi coloridos, este Mc não tem como passar despercebido. Facto que pode ser constatado assim que se olha para o visual de uma quantidade considerável dos jovens angolanos (principalmente os adolescentes).

Do outro lado da balança, encontram-se a dupla Príncipe Ouro Negro e Presidente Gasolina que contam com um visual tão característico que torna-se difícil ser copiado. O que não diminui o impacto que os dois têm no panorama de moda angolana juvenil alternativa. Pensemos na dupla como uma visão haute-couture, pelo elevado nível de dramatismo que colocam em cada indrominaria. Personificam o radicalismo, excentricidade e um quebrar de regras sistemático. São um modelo a seguir pela maneira como introduzem tendências sempre que aparecem no programa de Kuduro que apresentam “Sempre a Subir”.

 

Presidente Gasolina e principe Ouro Negro 

 

 

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui