- Publicidade -

More

    Adebayo Vunge Não tenho qualquer simpatia pelo Kuduro

    em

    |

    Visualizações

    and

    comentarios

    Adebayo Emanuel João Vunge
    O jornalista e ex-apresentador do programa da TP1 Jovem Mania, Adebayo Vunge, publicou recentemente no semanário novo jornal um texto de opinião, onde revela que não tem qualquer simpatia pelo Kuduro.   Adebayo Vunge, mostra-se também contra a internacionalização que o estilo tem vindo a ganhar nos últimos tempo.

    Não tenho qualquer simpatia pelo kuduro. Admiro alguns kuduristas, mas confesso que não me revejo muito neste estilo musical. E,infelizmente, ele está a internacionalizar-se tão rapidamente que algumas pessoas, hoje em dia, neste mundo, quando falam deAngola, falam também do kuduro.

    Recentemente, durante um passeio a Angra dos Reis, no Rio de Janeiro (Brasil), e diante de turistas provenientes de várias partesdo Brasil e da América Latina, os guias lembraram-se de nos brindar (angolanos) com um kuduro.

    Outro dia, em Londres, durante uma  apresentação, o músico Caetano Veloso – um dos que mais admiro, de morrer, confesso! -cantou e rimou com uma batida dizendo que era kuduro de Angola.

    Em tempos vi na televisão e na net que houve um concurso de kuduro na Alemanha.

    São muitos os indicios de que o kuduro está a afirmar-se muito bem lá fora. Os músicos americanos, quando falam de Angola nassuas entrevistas, falam também do kuduro.
    Alguns kuduros até têm uma batida interessante para certas ocasiões mais eufóricas da nossa vida, nada mais, mas daí quetenhamos este estilo como a nossa bandeira é nivelar baixo de mais, olhando para um panteão tão rico de sonoridades musicais,de ritmos, de um cancioneiro lindo, de um folclore muito apreciável. O mais irritante, entretanto, no kuduro é a sua dança, ou astendências de moda que a música cria, tornando-lhe fácil, maleável, mas sem conteúdo. É de uma pobreza cultural franciscana.
    Agora, não estou contra quem o faça, antes respeito. Só não acho justo e sensato que Angola se faça representar no mundoapenas por essa “arte menor”, como diriam os antigos de Florença. É só olharmos para as nossas referências musicais de hoje:Estados Unidos e Brasil, cuja riqueza está exactamente na diversidade, mas quando se fala em referência, em simbolismo eleva-sea fasquia para o jazz, o samba ou mesmo a bossa nova. Por muito que os jovens adorem o hip pop ou o funk!
    Era bom por isso, que os esteios da nossa música ocupassem este espaço do ou a pretexto deste kuduro. Qão bom era termosPaulo Flores, Bonga, Waldemar Bastos, Dodó Miranda, Carlos Burity, Yuri da Cunha, o Rei Elias, o Wyza e muitos outros desfilaremnos vários palcos deste mundo, de Paris à Nova York ou de Tókio à Dakar. Seria fenomenal!

    A nossa afirmação cultural deve passar igualmente pela afirmação de muitos destes nomes, com ou sem o apoio do Estado. Aafirmação da nossa nacionalidade no mundo, tal como o fizeram os americanos, deve passar inevitavelmente pela via cultural. E,neste sentido, a música tem um lugar de charneira. A média, no quadrante interno, tem uma responsabilidade muito grande. Masquando vemos nas televisões as Titicas e putos nos consumirem o espaço de antena, não podemos senão ficar preocupados.
    Adebayo Vunge
    Texto Extraido do Novo Jornal APud Society News 

    Share this
    Tags

    A Bombar

    Benvindo Magalhães descarta possibilidade de algum dia apresentar Telejornal: “Nunca”

    Por: Sara Rodrigues O apresentador de TV e locutor de rádio Benvindo Magalhães deixou claro em entrevista ao Platinaline que jamais, na história da televisão...

    4ª edição do Unitel Estrelas ao Palco será emitida às quintas-feiras

    Por: Sérgio Flávio Fotos: Rosário Duarte Foi realizada hoje (28), nas instalações do canal ZAP Viva, uma conferência de imprensa para divulgar detalhes sobre a...

    De vencedor a membro da mesa de jurados: O brilhante percurso de Anderson Mário no Unitel Estrelas ao Palco

    Por: Sérgio Flávio Vencedor da primeira edição do concurso Unitel Estrelas ao Palco, Anderson Mário é um dos poucos concorrentes de projetos do gênero que...

    - Publicidade -

    Artigos Recentes

    - Publicidade -

    Mais como isto