- Publicidade -

More

    De Mária para Mary”

    em

    |

    Visualizações

    and

    comentarios

    De Mária para Mary”

    Texto: Mila Stéphanie Malavoloneke

    Fonte: @jovensdabanda

     

    Na última semana os grupos de WhatsApp tiveram acesso a uma imagem onde o kudurista Madruga Yoyo aparece com o seu tom de pele muito mais clareado. Na imagem é notável que o jovem possivelmente passou por um processo artificial de clareamento de pele. Dias depois, ainda na ressaca da mudança de cor do kudurista, reaparece nas redes sociais a kudurista Própria Lixa que pelos vistos também passou pelo mesmo processo. Assim, mais uma vez as redes sociais trouxeram à tona uma prática polémica muito comum nos países da África Ocidental e que pelos vistos, já chegou à Angola. O branqueamento da pele fruto do complexo de inferioridade do negro.

    O histórico do processo de clareamento de pele remonta a bem antes dos anos 1500. Nesta altura, porque tomar banho era uma prática muito rara, os privilegiados usavam o pó branco para camuflar as suas peles sujas. Já as massas trabalhadoras que tinham de labutar sob o sol, além da pele suja resultado da falta de banho, acabavam com a pele também bronzeada. Consequentemente a sociedade daquela época equiparou a pele branca à limpeza, riqueza e estatuto social.

    Depois surgiu o colonialismo que inseriu nas comunidades não brancas os seus princípios, hábitos e costumes. Segundo o activista angolano, historiador e defensor da cultura negra, Isidro Fortunato, durante a colonização foram aplicadas técnicas de indução comportamental com o intuito de controlar melhor os escravos. Diz o activista, que gozavam de melhores condições os escravos que se dedicassem a aprender e praticar os costumes do opressor. “Estes eram tidos como assimilados e ganhavam estatuto e privilégios coagindo mais e mais negros a adoptarem a branquitude nas suas estruturas psíquicas e comportamentais”.Segundo o historiador, as políticas de miscigenação também tiveram o seu impacto neste processo.Quando os brancos começaram a se envolver sexualmente com escravas nas colónias nasciam filhos mestiços, que automaticamente passaram a ter mais privilégios na sociedade e mais facilidades em relação aos negros. Foi assim implantada a mentalidade de que ter filhos mestiços era uma forma de prosperar e melhorar a raça.

    De volta à actualidade e a polémica em questão, apesar da reacção da sociedade angolana perante os novos mulatos dar a entender que esta prática é algo novo, repudiável e inusitado, branquear a pele é muito mais comum do que se imagina. Aquando da construção do artigo fez-se uma rápida pesquisa na internet e encontramos várias páginas angolanas que vendem o infame produto Whitenicious, da cantora Nigeriana Dência, cujo o objectivo exclusivo é ajudar os negros insatisfeitos com a sua cor à transitar para a pigmentação mais branca. Cada pomada custa pelo menos $120.

    Estas pomadas foram originalmente desenvolvidas para tirar manchas no rosto. A essência do produto é um componente chamado hidroquinona que age dentro das células que dão cor à pele e impede a produção dos pigmentos. É usado há décadas por médicos dermatologistas e pela indústria de cosméticos para tirar manchas causadas pela acné, queimaduras e pelo envelhecimento. Os produtos autorizados têm no máximo 2% de hidroquinona. Nestes cremes a concentração mínima é superior a 20%. Estudos feitos com ratos associam esta alta percentagem de concentração de hidroquinona ao câncer do sangue e da pele.

    Mas para os nossos jovens branquear a pele vai além da vaidade, é um projecto ridículo de inclusão social. Branquear a pele parece ser apenas a última etapa de um processo de embranquecimento que há décadas tem sido implantado no nosso seio; ou não seríamos até hoje obrigados a odiar o nosso cabelo ao ponto de termos instituições de ensino a proibir a entrada de meninas com cabelo crespo por considerar desarrumado. O nosso país não seria um dos maiores consumidores do cabelo brasileiro. Não teríamos preconceito das nossas línguas maternas e a media não seria a principal aliada na proliferação da cultura ocidental, cultura esta, onde até hoje ver um negro na bancada do “Jornal Nacional” é bastante raro e quando aparece finalmente uma negra como “garota do tempo” a pobrezinha acaba com o seu trabalho menosprezado pelo numero de comentários raciais (#SomosTodosMaJu).

     

    São por estas e por outras que o complexo de inferioridade do negro em Angola coloca todo e qualquer ser humano com a pele mais clara em vantagem social ou no mínimo psicológica. Dizer o contrario seria tampar o sol com a peneira pois não são de hoje as reclamações de que pessoas com a pele mais clara gozam de certos benefícios no nosso país quer na busca de emprego ou no acesso a certos locais de lazer.

    Em torno das reacções, há quem diga que existe em parte um exagero por parte da população que deve preocupar-se com outras coisas. Realmente! Existe muito que merece a nossa atenção nesta Angola com uma crise financeira bastante sentida mas isso não torna este assunto racial menos importante. Se porventura varrermos para debaixo do tapete o facto de que os jovens angolanos estão a usar produtos para mudar a cor da pele, estaremos indirectamente a fazer apologia à política do auto ódio e destruição. Até porque é pouco provável que os novos mulatos se sintam menos motivados a continuar o processo de “clareamento” quando se condena o acto de embranquecimento e não as vantagens sociais que a cor da pele traz numa sociedade onde deveria ser a cultura do trabalho árduo a ditar o sucesso social ou financeiro dos seus cidadãos.

    portugues.jpg

    De igual forma, julgo que fazer passeatas ou correntes de apoio à figuras publicas que por livre e espontânea vontade zombaram com um mal bastante sério como o racismo, não vai ajudar em nada. As nossas celebridades precisam aprender a conviver com o facto de que os seus salários são pagos pelo público e cuspir na mão que os dá de comer não é e nunca será uma atitude inteligente. Dai a importância de saber reconhecer quando se errou e endereçar um pedido de desculpas aos lesados. Isso em nada denigre ou humilha a reputação de quem o faz, muito pelo contrário. Quem trabalha com a prestação de serviço público tem a obrigação de prestar contas ao povo. Como disse e bem o jornalista Márcio Cabral: é bíblico,“dar a Cesar o que é de Cesar”. Adaptação: “deixar a comédia para os humoristas”.

     

    7df193d5a2be86814850ef16aacb19d6_M.jpg

     
    Share this
    Tags

    A Bombar

    TAAG põe fim a acordo com Hi-Fly e volta a assegurar na totalidade voos Luanda-Lisboa

    No seguimento do plano de manutenção e recuperação da frota e, no sentido de responder melhor às necessidades do mercado e a estratégia de...

    Hildebrando de Melo na 15º Bienal de Havana em Cuba

    A 15ª Bienal de Havana, que ocorrerá de 15 de novembro de 2024 a 28 de fevereiro de 2025, contará com a presença do...

    Florêncio Handanga homenageia legado musical do pai com lançamento de “Ya papa”

    Florêncio Handanga, filho do saudoso músico Justino Handanga, irá lançar uma nova música intitulada “Ya papa” no próximo dia 18 de Maio, como uma...

    - Publicidade -

    Artigos Recentes

    - Publicidade -

    Mais como isto