- Publicidade -

More

    Manuela Dias, autora da minissérie da Globo de sucesso ‘Justiça', partilha o seu processo de criação

    em

    |

    Visualizações

    and

    comentarios

    Manuela Dias, autora da minissérie da Globo de sucesso ‘Justiça', partilha o seu processo de criação

    Aos olhos do grande público, Manuela Dias pode não ser ainda tão conhecida. Mas a jovem e experiente autora, que há 20 anos escreve para teatro, cinema e TV, encanta o público logo nas primeiras palavras e o seduz para mergulhar no universo que constrói para os seus personagens. Uma das últimas alunas dogrande Gabriel García Marquéz, ela conquistou o público com‘Ligações Perigosas' e agoracom a minissérie ‘Justiça'.

    Em entrevista ao programa ‘Ofício em Cena', Manuela contoua práticado que chama de “dramaturgia de rua”. Isso é, aconversa comum, a intimidade dos grandes e dos pequenos eventos–seja o sentimento do rei no dia da coroação ou o sofrimento que o vendedor de café está a viver naquele dia de trabalho. No início da carreira, a autora adoptou uma estratégia diferente para ouvir boas histórias: levou uma placa para o centro do Rio de Janeiro, um gravador de áudio e muitas moedas de um real no bolso, propondo-se a pagar com uma moeda por cada história que lhe quisessem contar. Fez isso durante quase dois anos. “O que mais me interessa é a intimidade da história: como o rei acordou no dia da coroação? Busco a intimidade para mostrar como todos nós somos protagonistas das nossas histórias”, explica a roteirista.

    Ela tambémdescrevena entrevista como são as etapas desse processo. Manuela gosta de trocar ideias com a sua equipa de trabalho,no entantoconsidera o diálogo uma parte pessoal e intransferível do processo: “Eu sempre brinco, Hamlet é ‘Ser ou não ser’enão o homem que quer vingar a morte do pai porque o tio casou com a mãe. Quantas pessoas sabem da história do Hamlet? Mas todo mundo sabe que ‘Ser ou não ser, eis a questão’. Tanto que eu falo para os actores: ‘Não mude as falas sem dizer-me, mande-me a sua dúvida e eu retrabalho. Porque, para  mim, o processo é vivo até à edição. Não é um escritor que está lá longe, fechado, e ele vai mandar o seu texto. Não, eu estou viva o tempo todo”, conta. A autora conta ainda que as cenas já gravadas e editadas enviadas para ela pelo director a alimentam muito e já reescreveutrechos do roteiroem cima de cena que viu. “Ou porque a actriz fez umacoisabrilhante, que eu jamais poderia pensar, ou uma luz sugestiva, uma direcção que caminha para o outro lado”, exemplifica.

    Em Cuba, Manuela Dias foi uma das nove alunas da última turma de cinemadeGabriel García Márquez,  o Prémio Nobel de Literatura e autor de grandes livros, como ‘Cem Anos de Solidão'. Com ele, Manuela aprendeu a extrair o que é realmente interessante de uma história. “Ele me passou muito isso, essa coisa de: ‘Cual es la buena?'. Essa história não me faz imaginar nada, essa história não me transporta, essa história não me interessa. Tem gente que é tão bom de contar história, que pode contar a coisa mais banal do mundo e você vai curtir. Enquanto a outra pessoa, que é mala, sem empatia, pode contar uma história interessantíssima, mas você vai dormir. A história que merece escuta é um pacote muito complexo entre empatia, personagem, modo de falar e a própria história”, resume a autora.     

    A minissérie ‘Justiça',que tem final no dia 30 deSetembro, aborda o tema da moral, masa autoradefende que “dizer o que é certo ou errado em teoria por vezes é mais complicado do queo queo coração pode afirmar. A trama mostra-nosos acontecimentosna vida das personagens depois de a justiça lhes morder os calcanhares”. E issopode acontecer a qualquer um de nós. ‘Justiça' nasceu quando uma funcionária da sua casa sofreu uma injustiça muito parecida com a da personagem de Adriana Esteves na trama. O marido dela tinha sido preso por matar o cachorro do vizinho, que invadia o seu terreno e comia os seus patos. “O que eu gostaria com a minissérie é que a gente consiga colocar-se no lugar do outro, um óptimo exercício de transposição que a dramaturgia nos proporciona”,finaliza Manuela.

    Share this
    Tags

    A Bombar

    Dom Caetano aborda dissabores com Carina Santos: “Se a cópia não convence, a música se esquece”

    Dom Caetano, com sua sólida argumentação, detalhou os dissabores que enfrentou com a artista Carina Santos devido à reprodução da música intitulada “Sou angolano”,...

    Banco BCS lança o seu primeiro fundo de investimento

    O Banco BCS, arrancou ontem com a subscrição de um fundo fechado especial de investimento em valores mobiliários, no valor global de 5.000.000.000 Kz. Destinado...

    Angola ocupa 4.ª posição no Ranking Africano de Futsal

    Por Helder Lourenço Após a recente realização do CAN`2024, em Rabat, Marrocos, Angola se destaca ao conquistar a quarta posição no ranking da Confederação Africana...

    - Publicidade -

    Artigos Recentes

    - Publicidade -

    Mais como isto