Moda Masculina

0
235

A 82º edição da Pitti Uomo aconteceu nos passados dias 18 a 21 de Junho, em Florença, Itália. Uma espécie de clube privado de rapazes, aonde é interdita a entrada feminina. Pitti Uomo é considerada uma das, senão a mais importante plataforma retalhista de moda masculina, e para provar, conta com 1065 marcas, e mais de 30 mil visitantes na Fortezza da Basso, local das exibições e desfiles. Cerca de 20 mil desses visitantes são compradores das lojas ou jornalistas/editores das mais variadas revistas do mundo.

 


Deste modo, encontram-se aqui reunidos os ingredientes perfeitos para um festim visual, em termos de estilo de rua. Uma oportunidade única de avaliar, apreciar e meditar sobre a realidade do vestuário masculino. Muitas das vezes estigmatizado, é um dos calcanhares de Aquiles do mundo da moda. Como conseguir elegância, personalidade, praticabilidades mas ao mesmo tempo não perder a seriedade? Assim como, a eterna luta diária travada no quotidiano de aliar um visual formal para o local de trabalho mas ao mesmo tempo confortável e descontraído?

 

Aqui ficam alguns exemplos da nossa seleção dos melhores looks desta semana recheada de virilidade.


Quisemos aprofundar um pouco mais a questão. Dirigimo-nos para a Baixa Chiado, em Lisboa, Portugal considerada um dos locais de preferência para os amantes de moda da capital Lisboeta.


Encontramo-nos com Rui Martins, português, 31 anos, gerente na loja Zara (Chiado, Lisboa). O mesmo descreve-se como um amante do estilo clássico mas com inclinações modernistas. Não encontra qualquer tipo de restrição em conjugar o seu look para trabalho e vida pessoal, pois tem a sorte de trabalhar para uma marca de vestuário, o que só por si elimina as barreiras mais formais que os homens que trabalham em organizações empresariais têm de lidar no seu dia-a-dia.

 


Rui Martins, português, 31 anos, gerente na loja Zara (Chiado, Lisboa).

 

No outro espectro encontra-se Ricardo Cardoso, 20 anos, angolano, estudante de moda pretende seguir jornalismo nesta área. Contou-nos que não encontra qualquer tipo de limitação, senão a cidade em que reside, Lisboa.

“Não veem com bons olhos ou não entendem que existem pessoas que se vestem de maneira diferente, e que se limitam a ser elas mesmas, isso deve ser respeitado acima de tudo, em qualquer parte do mundo”.

Admite porém que apesar disso considera-se uma pessoa livre e espontânea que não segue regras no que toca ao seu vestuário nem se importa com o que os outros pensam sobre si.


Ricardo Cardoso, 20 anos, angolano, estudante de moda pretende seguir jornalismo nesta área.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui