- Publicidade -

More

    Morreu Cesária Évora aos 70 anos

    em

    |

    Visualizações

    and

    comentarios

    Morreu Cesária Évora aos 70 anos

     

    Cesária Évora morreu, este sábado, aos 70 anos num hospital de Mindelo, em Cabo Verde. A cantora cabo-verdiana estava doente há vários meses, tendo dado como terminada a sua carreira em Setembro deste ano.

     

    net_684x82

    Cesária Évora regressou há quase dois meses a Cabo Verde, a terra que a viu nascer e que hoje assiste à sua partida. 

    Foi uma «insuficiência cardio-respiratória aguda e tensão cardíaca elevada» que calou a voz mais emblemática de Cabo Verde. «Cise», como era conhecida pelos mais íntimos, estava internada desde sexta-feira no hospital Baptista de Sousa, em São Vicente, onde acabou por não resistir. Era cerca de 11h20.

    «Durante este período, ela alternou momentos de lucidez com momentos de inconsciência e esteve sempre acompanhada do seu empresário, José da Silva», contou o director do hospital.

    Cesária regressou a 22 de Outubro ao seu país depois de ter posto fim à sua carreira devido a problemas de saúde.

    Diva de pés descalços e rainha da world music

    A ‘diva dos pés descalços’ nasceu há 70 anos na cidade do Mindelo, na ilha cabo-verdiana de S. Vicente no seio de uma família de músicos.

    Numa das muitas entrevistas que deu, certa vez, afirmou: «tudo à minha volta era música». O pai, Justiniano da Cruz, tocava cavaquinho, violão e violino, instrumentos que se tornaram característicos daquelas ilhas, o irmão, Lela, saxofone, e entre os amigos contava-se o mais emblemático compositor cabo-verdiano, B. Leza.

    «Cise» como era carinhosamente tratada pelos amigos, tornou-se no nome mais internacional de Cabo Verde, país de onde o mundo conhecia já grandes músicos como Luís Moraes e Bana.

    Desde cedo que Cesária Évora se lembrava de cantar, como referiu numa das muitas entrevistas que deu: «Cantava ao ar livre nas praças da cidade para afastar coisas tristes». Aos 16 anos canta nos bares das cidade e nos hotéis começando a ganhar uma legião de fãs que a aclamavam já como «rainha da morna».

    A independência da nação africana, em 1975, coincide com o início de um «período negro» da cantora que deixa de cantar, tem problemas com o alcoolismo e trabalha noutra área.


    Em 1985 a convite de Bana, proprietário de um restaurante e uma discoteca com música ao vivo em Lisboa, Cise vem a Lisboa e grava um disco que passou despercebido à crítica, seguindo para Paris onde é «descoberta» e daqui, como aconteceu com outros cantores, partiu para os palcos do mundo.

    Em 1988 grava «La diva aux pied nus», álbum aclamado pela crítica. Nesta fase da sua carreira tem um papel fundamental, que se manteve até ao final, o empresário francês José da Silva.


    Em 1992 Cesária Évora gravou «Miss Perfumado» e aos 47 anos torna-se uma «estrela» internacional no mundo da world music, fazendo parcerias com importantes músicos e pisando os mais prestigiados palcos.

    Uma carreira internacional que passou várias vezes por palcos portugueses cujas salas esgotavam para ouvir, entre outros êxitos, «Sôdade».


    Em 2004 recebeu um Grammy para o Melhor Álbum, de world music contemporânea pelo disco «Voz d’Amor». «Cise» não pára e continua em sucessivas digressões, regressando de quando em vez à sua terra natal.

     

    «Eu preciso de quando vez da minha da terra, do povo que sou e desde marulhar das ondas», confidenciou certa vez à Lusa.

     


    A cantora começa a enfrentar vários problemas de saúde e alguns «sustos» como afirmava, mas regressava sempre aos palcos e aos estúdios com alegria.

     


    Em 2009 o Presidente francês Nicolas Sarkozy entrega-lhe a medalha da Legião de Honra, depois de uma intervenção cirúrgico que a levou a temer pela vida.

    Cesária voltou aos estúdios e anunciou não só uma  digressão como a gravação de um novo  Disco,  que deveria sair no próximo ano.

     

    No dia 24 de setembro numa entrevista ao Le Monde a cantora afirma que tem de terminar a carreira por conselho médico. A sua promotora, Tumbao, emite um comunicado confirmando as declarações da «diva dos pés descalços», e dando conta da tristeza que sentia por ter de o fazer.

     


    Nesse mesmo dia ao princípio da tarde a cantora é internada no hospital parisiense de Pitie-Salpetriere, por ter sofrido «mais um acidente vascular cerebral (AVC)». A Tumbao emitiu nesse mesmo dia um comunicado dando conta que o diagnóstico clínico da mais internacional artista cabo-verdiana era «reservado».

     


    Ao longo da carreira, além das inúmeras digressões e atuações em televisões, gravou 24 álbuns, um DVD, «Live in Paris», e registou dezenas de colaborações em discos.

     

     


      
     
           

     


    Lusa/Platina Line 

    (Em actualização) –

    Share this
    Tags

    A Bombar

    “Mulher detida em Luanda após acumular dívida milionária em hotel de luxo

    Uma mulher de 36 anos assumiu uma identidade falsa de empresária e se hospedou em um hotel de luxo na região do litoral sul...

    “SIC desmantela rede de falsificação de dólares provenientes da RDC em Angola”

    O Serviço de Investigação Criminal (SIC) desmantelou uma rede de indivíduos angolanos que colaboravam com estrangeiros para introduzir dólares falsificados no país, provenientes da...

    Pinóquio: A Verdadeira História” traz emoção e diversão a 31 de Maio no ZAP Cinemas

    Luanda, 23 de Maio de 2024 – A emocionante estreia de "Pinóquio, a História Verdadeira" no ZAP Cinemas traz uma nova e divertida abordagem...

    - Publicidade -

    Artigos Recentes

    - Publicidade -

    Visit arnan.me

    Mais como isto