- Publicidade -

More

    MPLA reconhece baixo poder de compra da população

    em

    |

    Visualizações

    and

    comentarios

    O Presidente do MPLA, João Lourenço, reconheceu neste sábado, em Luanda, que os altos índices de desemprego, fruto de vários factores socioeconómicos, reduziram o poder de compra do cidadão.
    Ao falar no acto de massas de encerramento do VIII Congresso Ordinário do MPLA, João Lourenço apontou como causas principais dessa situação a crise económica e financeira e a pandemia da Covid-19.

    Numa abordagem sobre os vários aspectos da vida dos angolanos, disse que, ainda assim, a produção agrícola, pecuária e piscatória, em Angola, tem crescido todos os dias.

    Fez, também, referência aos ganhos conseguidos nos sectores da energia e águas, com destaque para o hidroeléctrico, onde lembrou a construção de várias barragens na Bacia do Kwanza.

    O líder do MPLA, que é igualmente Presidente da República, disse que o Executivo tem, igualmente, em conta as energias renováveis, nomeadamente a solar e a eólica.

    Na sua intervenção de mais de uma hora, falou, ainda, da questão das infra-estruturas sociais e da necessidade de se aumentar o projecto de auto-construção dirigida.

    No acto, que visou assinalar o 65° aniversário da fundação do MPLA, o líder partidário falou da necessidade de se intensificar a aposta na saúde, na educação, criação de riquezas no país e considerou fundamental que o Estado deixe de ser o grande empregador.

    Lembrou que, em 2017, foi feito um diagnóstico no sector da saúde em que se concluiu que o défice é considerável, por isso o Governo tem estado a fazer um “forte investimento” neste sector.

    O Presidente do MPLA disse que, apesar de se pretender reduzir o funcionalismo público, se abriu uma excepção aos sectores da educação e da saúde, e todos os anos continuarão a receber quadros por via de concursos públicos.

    João Lourenço apelou à participação de todos no processo de actualização do registo eleitoral, sublinhando o facto dos angolanos na diáspora poderem votar nas eleições gerais de 2022, pela primeira vez.

    Sobre o Plano Integrado de Intervenção nos Municípios (PIIM) disse que o mesmo faz parte da descentralização administrativa do Estado, para colmatar a ausência das autarquias locais.

    Esclareceu que o dinheiro do PIIM provém do Fundo Soberano de Angola e que continua activo.

    O Congresso do partido no poder em Angola decorreu durante três dias, sob o lema “MPLA por uma Angola democrática e inclusiva”.

    Share this
    Tags

    A Bombar

    TAAG põe fim a acordo com Hi-Fly e volta a assegurar na totalidade voos Luanda-Lisboa

    No seguimento do plano de manutenção e recuperação da frota e, no sentido de responder melhor às necessidades do mercado e a estratégia de...

    Hildebrando de Melo na 15º Bienal de Havana em Cuba

    A 15ª Bienal de Havana, que ocorrerá de 15 de novembro de 2024 a 28 de fevereiro de 2025, contará com a presença do...

    Florêncio Handanga homenageia legado musical do pai com lançamento de “Ya papa”

    Florêncio Handanga, filho do saudoso músico Justino Handanga, irá lançar uma nova música intitulada “Ya papa” no próximo dia 18 de Maio, como uma...

    - Publicidade -

    Artigos Recentes

    - Publicidade -

    Mais como isto