- Publicidade -

More

    O DESESPERO DOS ESTUDANTES ANGOLANOS RESIDENTES NO BRASIL

    em

    |

    Visualizações

    and

    comentarios

    O presente texto é da inteira responsabilidade dos autores do texto

     

     

    “Os jovens são o futuro da nação” assim diz um velho ditado. Por essa razão e levando a sério a decisão de fazer diferente, muitos jovens decidem ingressar numa faculdade no exterior do país para se formar. Com a ajuda do Instituto Nacional De Bolsas De Estudo (INABE), muitos conseguiram realizar esse sonho. Mas o que realmente acontece é que esse mesmo instituto não consegue dar conta da responsabilidade que tem. Deixando na mão muitos estudantes que se encontram no Brasil e no mundo. O acordo inicial é de que o INABE pagaria os estudantes 500 usd mensais para ajudar no custeio das suas necessidades, e que a principio o pagamento seria trimestral, mas desde que nos encontramos no Brasil esse acordo já foi quebrado inúmeras vezes. Atrasos, cortes e mudanças de acordo, já se passaram durante quatro anos, já chegamos a receber 465 usd ao invés de 500 usd, já ficamos 4 meses ou mais, tem até estudantes que nunca receberam desde que cá chegaram. Por sorte alguns contam com o apoio dos pais e evitam esse constrangimento com a instituição em causa. Mas e quanto aqueles (que são a maioria) que dependem inteiramente dessa instituição, que abriram mão de muitas coisas para priorizar o estudo a fim de mudar a “nação”?

     

     

    Muitos passam fome, sede, são obrigados a arranjar emprego, mesmo o INABE sabendo que segundo as leis da Policia Federal os estudantes não podem ter um vinculo trabalhista devido o seu tipo de visto. Alguns são obrigados a arranjar trabalhos escusos, para sobreviver tais como a prostituição, venda e consumo de drogas. Que experiência e futuro esse cidadão terá? A muitos parece um sonho, mas para nós que vivenciamos essa experiência é triste. Nem a embaixada e o consulado podem fazer alguma coisa. Nunca ajudam porque não é da alçada deles lidar com essa situação (nós). O que mais nos intriga é saber quais as causas desse atraso. Entramos em contacto com eles e nenhuma resposta satisfatória nos foi dada, simplesmente não atendem ao telefone. É chocante! Quantos desistem, quantos morrem, quantos sofrem? Muitos sendo despejados de casas, sem energia, água, gás, telefone e internet, sem comida, e sem crédito no mercado porque o nome se encontra sujo devido ao não pagamento de dívidas acumuladas durante esses três meses de espera. E ainda vão dizer que a bandidagem não é uma opção? Quando é mais fácil raciocinar, de barriga cheia ou vazia? Quando é mais fácil decidir entre o bem ou mal, dormindo no relento ou dentro de casa numa cama quentinha? Quando é mais fácil estudar, com preocupações ou sem? E como iremos estudar se precisamos de cópias, de cadernos, livros e outros?

     

     

     

    Dessa forma apelamos ao INABE que olhem para nossa situação, e resolvam!

     

     

     

    E aqui estamos nós, esperando que um dia o saldo nas nossas contas voltem a estar diferentes de 0,00. Para que possamos voltar a estudar com um pouco de tranqüilidade!

     

     

    Por  Estudantes do INABE

    Share this
    Tags

    A Bombar

    Proposta de Lei dos Crimes de Vandalismo de Bens e Serviços Públicos – Quem destruir património pode ir 15 anos para a cadeia

    O Conselho de Ministros de Angola, reunido sob a orientação do Presidente João Lourenço, examinou três propostas de lei destinadas à Assembleia Nacional. Em...

    Ministro da Cultura de Angola e Maria Borges Buscam Parcerias Internacionais para Música Angolana”

    O Ministro da Cultura, Filipe Silvino de Pina Zau, recebeu em seu gabinete a renomada modelo internacional Maria Borges, que também exerce o cargo...

    JEO MC estreia-se como atleta de MMA e sagra-se campeã nacional

    Por: Helder Lourenço A gladiadora dos Reis de Rompimento Primeira Liga (RRPL), Jeorgina Ludmila, conhecida nas lides artísticas como Jeo MC, estreou-se como atleta de...

    - Publicidade -

    Artigos Recentes

    - Publicidade -

    Mais como isto