Calema, Soraia Ramos, Lisandro Cuxi são alguns dos nomes conhecidos do público cabo-verdiano, cujas vozes e músicas são das mais ouvidas e dançadas no país da morabeza.

Por detrás destes artistas aclamados está a outrora pequena produtora de música e vídeo sediada na Suíça, que de um encontro casual, durante um concerto, entre duas mentes criativas e ousadas, transformou-se numa das mais conceituadas label atualmente existentes – a Klasszik.

Produções de excelência com milhões de views nas plataformas digitais, uma editora com vasta experiência no acompanhamento dos artistas, desde o estúdio aos grandes palcos, com métodos para colocar os projetos criados ao mais alto nível e um modelo virado para o mercado internacional.

Por todas estas características e qualidades, para o Ministro da Cultura e das Indústrias Criativas, Abraão Vicente, a parceria entre o ministério que tutela e a Klasszik é uma aposta na projeção da cultura, da música e do turismo de Cabo Verde, tanto dentro como fora do país. Junta-se a quem melhor sabe fazer, aprende-se, partilham-se ideias e, sem dúvidas, Cabo Verde só tem a ganhar.

O governante visitou a estrutura Klasszik em Sintra, após uma intensa e profícua reunião de trabalho, e convidou a equipa que lidera esta renomada label a visitar Cabo Verde, para juntos fazerem um reconhecimento do terreno e definirem um futuro protocolo de cooperação, que possa projetar, ainda mais, o país lá fora, dinamizar os grandes festivais nacionais, capacitar as pequenas produtoras, artistas e fazedores da cultura.

Afinal, segundo a visão da Klasszik, “juntos somos mais fortes e orgulhamo-nos de produzir com qualidade, para o bem do artista, do consumidor final, no nosso caso a sociedade” e Cabo Verde é, com certeza, um país com muito por oferecer, ensinar e criar.