Por: Hélio Cristóvão

A cantora Patrícia Pires, também conhecida pelas mais variadas polémicas em volta do seu nome, está a preparar o seu relançamento no mercado nacional, entretanto, este feito servirá igualmente para a expansão da sua carreira a nível internacional.
Patrícia Pires estreou no mercado em Julho de 2019, tendo lançado os singles “Broca” e “Tic Tac”, entretanto, depois de três meses intensos, encerrou a agenda de trabalho e decidiu sair de Angola para tratar da sua saúde, formar-se em música, investir na imagem e fazer reciclagem em línguas para dar início à carreira internacional.
“Estive a fazer aulas de canto e bateria, estudar inglês e espanhol para aperfeiçoar, estudei técnicas de dança, estudei muito sobre espiritualidade, apeguei-me muito a medicações, não foi fácil, várias vezes apanhei esgotamento psicológico e físico.”, informou a cantora.
Já no próximo mês de Julho, a artista promete entrar em estúdio para a materialização do primeiro single promocional, cantado na vibe Ama Piano, que será produzido pelo hitmaker Teo no Beat.
Neste seu regresso a Angola, Patrícia Pires firmou parceria de agenciamento com a Top Music Angola e nos EUA com outras entidades que preferiu manter em sigilo.
Em termos de sonoridades, Patrícia traz como proposta o Afro Beat, Ama Piano, Reggaeton, Dancehall, avançando parcerias com o francês David Lempell e um artista nigeriano residente nos Estados Unidos.
“Hoje sou uma artista bem direcionada, mais confiante, e muito exigente comigo mesma, ter estudado música foi à melhor coisa que eu fiz, aprendi muito, irei cantar estilos diversos onde eu irei explorar melhor a minha voz colocando em prática novas técnicas vocais que aprendi na escola. Aprendi também a tocar bateria tão bem que hoje eu digo que nasci para tocar bateria, eu amo tocar bateria, irei praticar sempre em casa para poder evoluir mais e mais. Hoje eu posso dizer que eu sou uma Grande Artista e vou mostrar trabalho. Podem esperar o melhor de mim como Artista e como Mulher.” Concluiu.