- Publicidade -

More

    Quim Fasano oferece boleia ao Rei do Kuduro no “Conexões” deste Sábado

    em

    |

    Visualizações

    and

    comentarios

    O programa “Conexões” deste sábado, 1 de Novembro, tem como passageiro VIP o Rei do Kuduro, o Tony Amado. O apresentador Quim Fasano recebe no seu ‘ Candongueiro’, o artista que inventou o ritmo, cujo o papel foi crucial para a difusão do estilo musical, que já virou tradição em Angola.Tony iniciou a sua carreira como bailarino e o seu talento na dança ajudou-o a criar os seus próprios passos. Ele relembra o início da sua trajectória artística e revela quais foram as suas fontes de inspiração para conceber o estilo já considerado referência em dança popular angolana. No final do passeio, o músico abre as portas do seu estúdio e desafia o nosso apresentador a dar uns ‘toques’ de kuduro.

     

     PGM26_BLOCO02_FRAME_1.jpg

    Ainda nesta semana o “Conexões”, é o convidado especial de uma festa religiosa, na qual a tradição, a música e a gastronomia andam de mãos dadas. Trata-se dos festejos em homenagem a Nossa Senhora da Boa Morte, evento secular promovido pela confraria Nossa Senhora da Irmandade na cidade de Cachoeira (Bahia) e que tem como objectivo preservar as raízes africanas da região. Composta essencialmente por mulheres, ao todo 23, todas de origem africana e com mais de 45 anos. A irmandade é mundialmente conhecida como uma das confrarias mais antigas e importantes do Brasil. A apresentadora Jacqueline Saluvo conversa com o antropólogo Xavier Vatin sobre a história e herança cultural deste grupo de mulheres. “A festa da Nossa Senhora da Boa Morte é a festa de uma irmandade religiosa composta por mulheres negras que na época da escravatura conseguiram funcionar como sociedade de libertação de outros escravos. Elas têm um culto sincrético que associa o catolicismo à religião de matriz africana, ou seja, o candomblé”, afirma Xavier.

     

    PGM26_BLOCO01_FRAME.jpg

    E a aventura da apresentadora Jacqueline não pára por aí. A visita desta vez é feita ao Museu da Abolição, lugar que preserva a história dos afrodescendentes no Brasil, além de ser considerado referência da cultura afro-brasileira. O acervo da instituição conta a história dos povos africanos que viveram no Brasil e ajudaram a construir o país. A antropóloga Elisabete Arruda, directora do museu, ressalta a importância da instituição no resgate das raízes da cultura brasileira. “Ele (o museu) foi criado para homenagear os abolicionistas, que lutaram pela causa no Brasil. Esta instituição é importante não só para o continente africano, mas também para o mundo contemporâneo”, explica Elisabete.

    No quadro “o Universo da Chiquinha”, a artista exemplifica a reacção das outras mulheres em relação aos cachos naturais da mulher negra. A inspiração para o quadro vem de histórias reais, testemunhadas pela própria artista, como também por pessoas conhecidas.

     

    O “Conexões” é exibido aos sábados às 19:20 horas e repetido aos domingos às 10:55 horas.

     

    Share this
    Tags

    A Bombar

    Divisão de Luanda dará surgimento a uma região Litoral

    A província de Luanda poderá ser dividida em uma região Litoral, com a excepção de Cacuaco, e uma outra que vai comportar os municípios...

    Angola paga USD 176 milhões da sua dívida com FMI

    Cerca de 176 milhões de dólares norte-americanos é o valor que o Governo angolano já pagou ao Fundo Monetário Internacional (FMI) desde 2021 até...

    Feira da saúde Pumangol apoia gratuitamente população carenciada

    No distrito urbano do Benfica Luanda, 21 de Junho de 2024 – A Pumangol arrancou hoje com a Feira de Saúde Anual, que decorre de...

    - Publicidade -

    Artigos Recentes

    - Publicidade -

    Mais como isto