A circulação rodoviária na estrada nacional número 230, que liga Luanda/Dondo e o resto do país, foi resposta no princípio da tarde deste domingo, após a realização de trabalhos paliativos pelo Governo da Província.

Para repor a circulação rodoviaria, que estava interropida desde a madrugada de sábado, em consequência do derrube da ponte dobre o rio Cacesse, pela forte chuva que caiu na região, o Governo Provincial entulhou a parte danificada para possibilitar a passagem de veículos.
Segundo o vice-governador da Provincia do Cuanza Norte para a Área Técnica e Infra-estruturas, Luís Mendonça, tratando-se de uma estrada nacional, cuja a reabilitação é da responsabilidade do Governo central , fez-se um trabalho paliativo até que o Instituto Nacional de Estradas de Angola faça a intervenção definitiva.
Em consequência da interrupção da circulação rodoviária, cerca de 300 viaturas de carga e passageiro ficaram retidas no Dondo, nos dois sentidos, de e para Luanda. A cidade do Dondo liga Luanda às provincias do Sul, Leste, Norte e Nordeste do país.
A chuva provocou também a morte de uma cidadã e desaparecimento de uma pessoa, bem como afectou 817 famílias e residências . Do número de residências afectadas, 90 ficaram destruídas e 727 inundadas.
Segundo constactou a Angop no local, as familias afectadas, que precisam de água e bens alimentares, continuam ao releito, a aguardar por apoio.
A chuva provocou também a destruição do dique de contenção e o transbordo do rio Capacala, deixando submersa a zona dois do bairro Cacesse, um dos mais populosos da cidade do Dondo, com mais de 20 mil habitantes.
Segundo os novos dados, há também a registar a destruição parcial da ponte sobre o rio Quiringo, no troço Dondo/Ndalatando, causando limitações na circulação rodoviária entre as duas cidades.
Entre as áreas afectadas estão, igualmente, dezenas de instituições públicas e privadas, entre as quais a representação do Instituto Nacional de Segurança Social, o Magistério Primário do Dondo e duas agências bancárias.