Uma vida sexual plena e satisfatória tem muito mais a ver com aspectos simples da vida do que com cenários rebuscados. Se cuidamos do básico – auto-estima, saúde do corpo, relação aberta com o parceiro (novo ou de longa data) –, o desejo e o prazer estão garantidos. Sobretudo se ainda por cima lançarmos mão do melhor da nossa imaginação.

No entanto, são inúmeros os factores que podem ameaçar este equilíbrio. Desde a forma como somos educadas ao stress diário, passando pela rotina quando se trata de mulheres casadas ou em namoros prolongados… E aí de pouco servem os ambientes românticos com velas, pétalas de rosas e música de fundo ou os cenários mais atrevidos com brinquedos íntimos, cabedal e jogos de dominação.

Com a ajuda da psicóloga e sexóloga Vânia Beliz, autora do livro Ponto Quê? (Objectiva), fizemos uma lista de essenciais que, devidamente tratados, cuidados e mimados, garantirão um prazer duradouro seja qual for o cenário que escolher para os seus momentos a dois.

1. REECONTRE-SE!
O primeiro passo a dar é estar de bem consigo própria. É um conceito básico que parece chavão mas que está na essência do seu relacionamento com o mundo, com o universo… e com os homens, claro!

“Antes de estarmos satisfeitas com os outros, temos de estar satisfeitas com nós próprias”, comenta Vânia Beliz. Isso passa por rever a nossa vida – Como estamos? Como nos sentimos na nossa pele? – e também por cuidarmos de nós próprias, da nossa aparência. “Quando uma mulher abre a sua gaveta de roupa interior e coloca aquela lingerie especial que a faz sentir-se sensual também vai passar essa imagem para os outros. Tudo o que sentimos em relação a nós passamos para os outros”, explica.

No período de enamoramento ou quando estão no ‘processo de caça’ as mulheres produzem-se, valorizam a aparência física. É raro vê-las com uma unha lascada ou uma sobrancelha fora do sítio. A partir de uma certa altura, algumas param de o fazer. Mudam-se as prioridades, se calhar, e elas descuidam-se. Fazem-no como se a relação em que se encontram fosse um dado adquirido. Mas não há dados adquiridos nesta vida!

2. FAÇA AS PAZES COM O SEU CORPO

Uma mulher nunca está contente com o que tem. Está gorda de mais, magra de mais, tem as pernas finas, os tornozelos grossos, o peito pequeno ou grande de mais… A lista parece interminável.
Há coisas que podem ser melhoradas com boa alimentação e exercício físico, mas há inúmeras que dificilmente mudarão sem uma intervenção mais radical. Mas será que isso é mesmo preciso?

Asseguramos-lhes que a maioria dos homens não liga a celulites e estrias. Ligam se estamos cuidadas e de bem connosco, se estamos dedicadas ao momento em que estamos com eles e empenhadas na relação.

Assim, faça o seu melhor cuidando do corpo, exercitando-o e tornando-o mais saudável. Pilates pode ser uma excelente modalidade: fortalece o abdómen e a região pélvica e torna a zona das ancas mais flexível. E, por outro lado, aceite a sua conformação física e aquilo que não consegue mudar como os sinais da passagem do tempo. Estará a dar um passo firme em direcção ao prazer.

3. DESCUBRA OS SEUS MISTÉRIOS
Explore o seu corpo. Descubra cada recanto sem medo. Aprenda a gostar de si. Somos todas diferentes. Trace o seu mapa do prazer. “Os genitais são apenas uma das muitas paragens obrigatórias [neste mapeamento]”, escreveu a sexóloga no seu livro. Orelhas, nuca, palma das mãos, barriga, parte interna das coxas são algumas das zonas aconselhadas a explorar pela especialista.

4. RECONQUISTE O SEU ESPAÇO
Está no auge da sua carreira profissional, está a tentar construir uma ou simplesmente à procura de trabalho? Aprenda a preservar o seu espaço. “Há muitas mulheres a quem a vida afectiva e sexual são arrastadas pelos problemas que levam do trabalho para casa. Muitas não se conseguem distanciar. É difícil, mas é importante fazer este esforço”, observa Vânia Beliz.

Estamos escravos do telemóvel, dos e-mails, o trabalho invade o nosso espaço doméstico e a nossa vida privada. Estabelecer um limite é essencial. O momento económico é delicado mas, além da agenda completa, é importante arranjar espaço, tempo, para si e para o relacionamento. “Este não pode ficar apenas para os tempos vagos. Da mesma maneira que arranja tempo para aquela reunião ou para fazer algo para as crianças, é preciso arranjá-lo para a relação”, sublinha a psicóloga. E acrescenta: “É claro que, com tantas exigências, quando chegamos à cama estamos desejosas de dormir porque no dia seguinte, às 6 da manhã, já estaremos a tratar novamente das crianças e de tudo o resto!”

Relaxar é a palavra de ordem! Como? Com ioga, massagens ou simplesmente a organizar-se. Pense: Como está a minha vida? O que tenho que me faz feliz? O que é que me preocupa? O que é que me relaxa? Arranje pequenas estratégias. Traga o seu parceiro nesta jornada.

5. PENSE EM SEXO
“O desejo nas mulheres é muito mais difícil. É uma coisa que temos de ir conquistando. Temos de sugestionar o nosso cérebro ao desejo”, esclarece Vânia Beliz.

Há mulheres mais sensíveis do que outras. Mas os especialistas são unânimes: temos de pensar em sexo. E fazê-lo. “Podemos até não estar com vontade, mas devemos permitir-nos pensar sobre o assunto ou experimentar umas festinhas ou uma aproximação… O desejo pode acabar por surgir”, incentiva a especialista.

E completa: “Mesmo sem parceiro, as mulheres devem estimular-se para o sexo. Falo da auto-estimulação, que ainda é um tema difícil de abordar no feminino. É muito raro uma mulher dizer que se masturba. Mas deve fazê-lo, sem medo.”

6. NÃO DEIXE PARA AMANHÃ
É importante perceber que nem sempre é preciso correr a maratona. Uma bela caminhada pode ser igualmente gratificante. Ou seja, “as mulheres às vezes estão cansadas, não querem nada que as canse ainda mais… É importante compreenderem e fazerem os homens perceberem que elas podem não estar disponíveis para o ‘evento’ completo, mas estão para outra coisa mais simples”, refere a sexóloga.

Às vezes podemos aproveitar os preliminares para chegar ao prazer sem ter de passar por uma hora de sexo… Mais vale irmos fazendo pequenas coisas e mantermos o contacto um com o outro do que não haver nada. E Vânia Beliz sugere: “Já se masturbaram juntos? Podem fazer sexo oral apenas. Há quem ache que esta prática não é sexo, mas estão enganados.”

7. TIRE A ROUPA
“Durma sem roupa”, aconselha a sexóloga. Aninhe-se no seu parceiro, não deixem de tomar banho juntos, procure coisas que vos aproximem.

Esqueça as pantufas e os pijamas grandalhões, desligue a televisão, surpreenda o seu parceiro e a si mesma!

8. JOGOS CRIATIVOS
Use a imaginação e descubra jogos que possam proporcionar momentos íntimos. Antes de irem para a cama, esconda debaixo da almofada dele algum objecto que indique que hoje lhe apetece algo mais. Dê-lhe a mão e peça que ele diga, de olhos fechados, que a pouse onde gostaria que o explorasse ou massajasse. Traga brinquedos e peças de roupa para explorarem a dois.

9. NOVAS TECNOLOGIAS
As novas tecnologias têm sido apontadas como elementos desestabilizadores de muitas relações. Telemóveis, tablets, computadores, redes sociais… roubam tempo ao casal, podem ser fonte de ciúmes ou expõem os parceiros quando estes não querem.

Mas, vendo bem, podem também ajudar. Se não tem coragem de sussurrar coisas atrevidas ao seu parceiro ou de lhe dizer olhos nos olhos o que gostava de fazer na intimidade, faça-o… por SMS ou através do e-mail particular dele.

10. E SE O MUNDO TERMINASSE DAQUI A 30 MINUTOS?
Como já dissemos acima, nada deve ser dado como adquirido. Devemos cativar o nosso parceiro num processo contínuo, todos os dias um bocadinho. É claro que isso também falta aos homens. Mas alguém tem de dar o primeiro passo. É importante não deixar que a cumplicidade e os momentos agradáveis que o casal partilha se percam com a rotina.

“Todos nós temos momentos em que erramos no relacionamento. Mas podemos sempre corrigir, pedir desculpas, fazer algo para mostrar que o outro é importante para nós, que pensamos nele”, destaca Vânia Beliz. E propõe: “Imagine que o mundo vai acabar daqui a meia hora. Acha que disse ao seu parceiro tudo aquilo que sente em relação a ele? A vida é muito curta para não dizermos aquilo que vai cá dentro.”
Inimigos do desejo
Obstáculos a combater quando o que se pretende é uma vida sexual activa e plena. Estes são alguns dos elementos apontados por Vânia Beliz no seu livro Ponto Quê?

Hormonas
O nosso ciclo hormonal às vezes não ajuda. Algumas mulheres são afectadas por flutuações de humor, irritabilidade e desinteresse sexual graças às hormonas. Como ultrapassar isso? A mudança da pílula, algum medicamento ou produto natural podem em alguns casos ajudar.

Intimidade
O excesso de confiança entre o casal pode ser fatal. Há coisas que não devem ser partilhadas: as idas à casa de banho, os homens a tirar pêlos do nariz e outros pormenores menos glamourosos da intimidade de cada um não precisam de sair deste universo individual. Jamais!

Medicamentos
Antidepressivos, ansiolíticos, remédios para dormir, entre outros medicamentos, mesmo os ditos ‘naturais’, são utilizados por muitas mulheres. E podem ser fatais a nível do desejo. Um tema que deve ser tratado a nível médico.