- Publicidade -

More

    Carnaval à prova de DST

    em

    |

    Visualizações

    and

    comentarios

    Você está solteira, pronta para pegar a estrada e cheia de amor para dar nestes dias deCarnaval? Antes de fechar a mala, veja aqui como não trazer na bagagem uma péssima e perigosa lembrança: uma doença sexualmente transmissível.

    Antes de viajar

    · Vacine-se contra a hepatite B, doença com mais chances de transmissão sexual que a aids, segundo os médicos. E, se você tem até 26 anos e nunca foi infectada pelo HPV, pode tomar a vacina, recém-aprovada no Brasil, contra a doença. Apesar de ser mais indicada para quem ainda não iniciou a vida sexual, acredita-se que ela também ajuda quem nunca teve contato com o vírus.

    · Abasteça sua mala com preservativos. “Ele é a melhor proteção contra as DSTs”, afirma a ginecologista Eliana Amaral. “Entretanto, há alguns vírus que podem estar em uma região que a camisinha não cobre, como o saco escrotal. É o caso do HPV, que atinge de 20 a 30% da população jovem”, alerta. Por isso a importância de fazer exames periódicos.

    Quando estiver lá

    · Camisinha nele! Está prestes a ir para a cama com aquele moreno in-crí-vel que acabou de conhecer? Saque da bolsa um preservativo. Se ele não demonstrar intenção de usá-lo, melhor parar antes de as coisas esquentarem. Pense bem: se o bonitão não se importa com a sua saúde, é bom saber agora em vez de perder seu tempo (e sabe-se lá mais o quê) com um homem desses. E mais: Também é importante usar preservativo ao praticar sexo anal, oral e até mesmo quando for masturbar o outro. Se o homem tiver gonorréia, por exemplo, a mulher pode se contaminar simplesmente ao coçar os olhos depois do contato com o esperma.

    Ao voltar para casa

    · Observe o seu corpo diariamente para verificar o surgimento de sinais estranhos. “Qualquer cheiro ou corrimento diferente, lesão na pele ou na vagina (verruga, ferida, vermelhidão) podem ser sinais de doença”, explica a dra. Eliana. “Se esperar para ver se essa alteração passa com o tempo – e isso realmente acontece -, o diagnóstico fica mais difícil.” Um exemplo disso é a sífilis: no primeiro estágio ela provoca uma ferida, que seca em alguns dias. Se a pessoa não for ao médico, apesar de o sintoma ter sumido, a doença continua lá e pode avançar para estágios mais graves, provocando danos ao coração.

    · Agende uma consulta com seu ginecologista assim que voltar de viagem – mesmo que aparentemente esteja tudo ok nos países baixos. Algumas DSTs, com o HPV e a clamídia, costumam não dar sinais. Porém, quando não tratadas, podem causar infertilidade e outras infecções graves. Peça ao seu médico que solicite exames para investigar se não foi infectada com nenhum vírus ou bactéria. “Há casos de mulheres que têm clamídia e só descobrem quando tentam engravidar e não conseguem”, explica a dra. Eliana. Você não precisa ser uma dessas.

    Platina Line/M de Mulher 

    Share this
    Tags

    A Bombar

    Francisco Destino apela por cuidados com “burnout” e esgotamento físico

    Por: Lindeza Admizalda Francisco Destino, sociólogo angolano e conhecido estrategista de negócios, compartilhou nesta quarta-feira (12) que foi diagnosticado com esgotamento físico, conhecido como "burnout",...

    Mbala Nzola e Annabelle Semenou anunciam chegada do primeiro filho

    Por: Helder Lourenço O jogador internacional angolano Mbala Nzola e a modelo Annabelle Semenou anunciaram, nesta quarta-feira, 12 de junho, que estão à espera do...

    Cidade de Al Bayda na Líbia iluminada com imagem de Ary Papel

    Por: Helder Lourenço A cidade de Al Bayda, na Líbia, localizada nos arredores da capital, foi iluminada com a imagem do extremo angolano Manuel David...

    - Publicidade -

    Artigos Recentes

    - Publicidade -

    Mais como isto