Mesmo com a crise mundial e restrições impostas pela covid-19, angolanos que desejam abandonar o país para trabalhar no exterior aumentam 2 pontos percentuais face a 2018. Estudo é da Boston Consulting Group e do The Network.

Seis em cada dez angola- nos revelaram intenção de abandonar o país para trabalhar no exterior, revela um estudo de consultoras internacionais que recolheu opiniões de cinco mil pessoas no ano passado, 57% dos quais jovens e destes 78% com habilitação literária alta.
Os números revelam um crescimento de 2 pontos percentuais, face a 2018, ano em que se registou uma certa redução, após os 89% verificados em 2014.
Portugal continua a liderar entre os destinos mais desejados, tal como em 2018. Seguem-se Canadá, EUA, Brasil, França, Alemanha, África Do Sul, Suiça e Espanha.

Entre as 22 áreas em que os angolanos gostariam de trabalhar destacam-se os media e informação, assistência social, gestão, trabalho manual e fabricação, atendimento ao cliente, trabalhos em engenharia e técnico, digitalização e automação e tecnologia.