- Publicidade -

More

    Ao completar 1 ano, botão ‘Curtir’ ganha versão aprimorada

    em

    |

    Visualizações

    and

    comentarios

    O botão “Curtir”, do Facebook, acaba de completar um ano de vida. Desenvolvido para facilitar a recomendação de links em sites de notícia ou blogs, o recurso mostra que o autor é mais importante do que a mensagem propagada na maior rede social do planeta. Ou seja, acessamos determinado conteúdo desde que ele nos tenha sido recomendado por alguém em quem confiamos.

    Para celebrar o registro – e ampliar o império do compartilhamento –, a rede apresentou o recurso “Send” (Enviar, em português). Presente apenas em 50 sites do exterior – entre eles, as publicações The Wall Street JournalWashington Post -, o recurso permite que o usuário compartilhe conteúdos com grupos determinados. Na prática, o adepto escolherá para quem enviar a recomendação. A ideia do Facebook parece ser combater o velho hábito de enviar recomendações por e-mail a várias pessoais.

    Apresentado em abril de 2010 durante uma conferência anual para desenvolvedores, o botão “Curtir” fez parte de um pacote de serviços criados pela empresa para facilitar a vida de todos os usuários atrelados ao site. Na ocasião, Mark Zuckerberg disponibilizou uma plataforma básica com uma série de serviços – o que inclui Atividade Recente, presente no site de VEJA.

    Zuckerberg previa o êxito da ferramenta, que de fato se confirmou. “O lançamento é um passo extremamente significante ao Facebook”, disse. A ascensão do botão se deu como um foguete. Na primeira semana após o lançamento – com a rede beirando 400 milhões de usuários cadastrados -, 50.000 sites instalaram o recurso. Em um mês, o número dobrou. Hoje, estima-se que 65 milhões de usuários do site cliquem diariamente no botão: são quase três milhões de sugestões por hora. Segundo Sheryl Sandberg, vice-presidente operacional da empresa, mais de 10.000 sites incorporam o botão diariamente.

    A vasta adesão é explicável. Plataformas de redes sociais, como Facebook e Twitter, tornaram-se importantes fontes de tráfego. Portanto, assim que uma empresa disponibiliza recursos como o “Curtir”, cresce a chance do conteúdo ganhar exposição. Do ponto de vista pessoal, o sucesso também faz sentido. Parte dos cadastrados busca pertencer a um grupo, fazer diferença na vida de seus amigos e ter a sensação de que pode ajudar. Em uma rede social, distribuir links é compartilhar conhecimento. No Facebook, distribuir links é recomendar, agir, criticar, elogiar e opinar. O usuário dá mais atenção ao que um amigo distribui em sua página do que a uma recomendação proveniente de um desconhecido. Rapidamente, o Facebook virou um mar de links: por mês, são disponibilizados mais de 25 bilhões.

    Para celebrar o registro, o Facebook apresentou em seu blog o botão em todos os idiomas

    Soberano em seu segmento, o Facebook viu seu maior rival, o Google, reagir. Recentemente, o gigante de buscas lançou o +1, que permite aos usuários recomendar resultados de busca e anúncios. Na prática, ao realizar uma pesquisa no site, qualquer pessoa receberá links indicados não só pelos motores de busca robotizados, mas também recomendações de seus próprios amigos.

    Fone: Veja
    Share this
    Tags

    A Bombar

    Dom Caetano aborda dissabores com Carina Santos: “Se a cópia não convence, a música se esquece”

    Dom Caetano, com sua sólida argumentação, detalhou os dissabores que enfrentou com a artista Carina Santos devido à reprodução da música intitulada “Sou angolano”,...

    Banco BCS lança o seu primeiro fundo de investimento

    O Banco BCS, arrancou ontem com a subscrição de um fundo fechado especial de investimento em valores mobiliários, no valor global de 5.000.000.000 Kz. Destinado...

    Angola ocupa 4.ª posição no Ranking Africano de Futsal

    Por Helder Lourenço Após a recente realização do CAN`2024, em Rabat, Marrocos, Angola se destaca ao conquistar a quarta posição no ranking da Confederação Africana...

    - Publicidade -

    Artigos Recentes

    - Publicidade -

    Mais como isto