- Publicidade -

Visit arnan.me
More

    Big Brother Angola: O Fenómeno Social "Duas Faces de Uma Só Moeda"

    em

    |

    Visualizações

    and

    comentarios

    Por: Mila Stéphanie Malavoloneke

    Fonte: JovensDaBanda @jovensdabanda

    No passado dia 31 de Maio, foi ao ar a segunda edição da versão angolana do programa Big Brother, desta vez com o tema: “duplo impacto”. O programa conta com dezoito (18) participantes divididos em pares. Estes participantes ficarão confinados numa casa cenográfica, na cidade de Johannesburgo- África do Sul, onde serão vigiados 24H por dia sem contacto algum com o mundo exterior durante três meses.

    Antes de falar do Big Brother, é preciso compreender a sua história. O programa em si, foi criado pela empresa Italiana (com sede na Holanda), Endemol, com intuito de estudar o comportamento humano num jogo onde cada participante além de conquistar o público, precisa ganhar a confiança dos outros concorrentes, responsáveis por votar naqueles que deverāo ser escolhidos pelo público para deixar a casa. O último a deixar a casa ganha uma quantia em dinheiro o que automaticamente atiça até certa forma a inerente ganância humana.

    Como reage o ser humano quando obrigado a conviver por três (3) meses com as mesmas pessoas sem contacto exterior e até que ponto conseguimos ser fieis à nossa essência sem comprometer um objectivo pessoal? Eis as questões a serem esclarecidas no dia à dia do programa que existe há mais de 17 anos e já teve versões em quase todos os cantos do mundo, mas só agora chegou à Angola através da empresa sul africana DSTV. A primeira ediçāo foi campeā de audiência e teve como vencedor o concorrente Larama por ter conquistado o público angolano com a sua personalidade irreverente.

    No entanto como quase tudo no nosso país, além do inegável sucesso, o programa BBA também é alvo de inúmeras críticas por parte da sociedade civil. Desde artistas à jornalistas renomados, muitos sāo os que questionam o conteúdo apresentado na versāo angolana do Big Brother, embora a mais midiatica crítica de todas, surgiu do cantor e produtor musical Heavy C que usou uma rede social para mostrar a sua inquietaçāo com o enredo do programa e os seus participantes:

    “[É] um programa sem sustento, individuais longe de fazer qualquer tipo de lógica, um vocabulário de tapar os ouvidos dos meus filhos,uma atrocidade cultural e mental em termos de ideais,uma falta de respeito pelo povo angolano pois talvez o intuito é mesmo de fortalecer o analfabetismo para continuarmos burros e inoperantes!! A palhaçada continua,e aqueles reais fazedores de programas e não só são banalizados e ainda chamados de “loucos”.Ate quando a burrice?Ate quando a descontinuação?! Ate quando a falta de pudor?!” – Escreveu o cantor na sua conta do instagram.

    Por outra, existem também os apoiantes e seguidores do programa que chamam de “hipócritas” aqueles que tecem-o duras críticas afirmando dentre as mais variadas razões que: “ o programa é para maior de dezoito (18) anos e os angolanos apoiaram assiduamente a mesma versāo do programa quando feita no Brasil, o que prova que valorizamos mais o que é do outro em detrimento do que é nosso”. Afirmam eles também que o programa é feito por uma empresa privada, com investimento privado, portanto a DSTV não tem o dever nenhum de “pensar país” sobretudo porque o programa não é imposto à ninguém, assiste quem quiser.

    Bem, verdade seja dita, o BBA – querendo ou não – apresenta-nos duas faces de uma só moeda.

    O programa por um lado, apresenta-nos dura e cruamente a triste realidade que enfrenta a educaçāo académica no nosso país. Se prestarmos atençāo, pelo menos no perfil de apresentação, a maior parte dos candidatos dizem ser “estudantes universitários” o que prova terem concluído o ensino médio, todavia cometem erros imperdoáveis de português, como foi o exemplo da concorrente que disse “anabilidade” ao invés de “amabilidade” e“combana” ao invés de “comandar”. Os concorrentes têm dificuldades em formar orações e sim, há que concordar com quem diga que num todo eles expressam-se mal. Sāo jovens que usam por excesso palavras de baixo calāo e como alguns críticos afirmam, têm dificuldades em ter conversas construtivas, “só querem saber do copo e sexo”.

    Realmente, péssimos exemplos, contudo, fechar os olhos e dizer que o programa é um ‘atentado’ a educaçāo dos nossos jovens, parece irónico quando estes mesmos jovens que estāo no programa não tiveram a influência do BBA para agir e pensar desta maneira. E neste aspecto, há que prezar a DSTV Angola por finalmente obrigar os angolanos à verem o seu reflexo ao espelho. Pelo número de críticas parece evidente que não gostamos do que vimos e isso sem sombra de dúvidas é bastante satisfatório.

    No entanto, há que falar do outro lado da moeda. Aquele que vê jovens da banda que vêm aos poucos buscando o seu espaço na sociedade. Jovens que lutam arduamente para serem respeitados, com uma capacidade intelectual invejável e que parecem estar no caminho certo para liderar este país um dia. Estes jovens ao contrário do que muitos tentam fazer parecer, não fazem apenas parte da sociedade elitista, estes jovens podem hoje ser encontrados em todos os estratos da sociedade. Portanto fingir que os jovens angolanos sāo todos representados pelos jovens que estāo na casa do BBA é de certa forma deturpar a realidade.

    Realidade esta que para ser posta à montra, os produtores deste programa precisariam levar até “à casa mais vigiada de Angola” a verdadeira fotografia dos jovens angolanos actuais, isto é desde as Lunas, dançarinas do grupo foguentas aos Kiesses, meninos da noite mas alunos dedicados. Dizem que o ‘problema’ é que a produçāo só pode selecionar quem se for inscrever. Pois, mas segundo o vídeo que está no site da Platina Line feito aquando do casting e publicado no dia 18 de Março do corrente ano, houve uma adesāo positiva em termos do número dos candidatos, muitos dos quais foram entrevistados pelo portal e não pareciam ter as dificuldades que encontramos nos concorrentes actuais, pelo menos a olho nú. Portanto a pergunta que igualmente deve ser esclarecida concerne aos requisitos de selecçāo dos concorrentes da casa. Comparando o video da Platina Line com os candidatos selecionados, a primeira instância, parece que a produçāo escolheu estes concorrentes controversos propositadamente, pois ninguém pode negar que o maior objectivo da empresa é a audiência e com tanta crítica, negativa ou positiva, até aqueles que nunca pensaram em assistir o programa, já devem ter dado uma vista de olhos para entender o ‘alarido’, ou seja, para a DSTV o objectivo tem sido alcançado com bastante sucesso.

    Agora, com relaçāo àqueles que dizem que “o angolano não apoia o que é seu” referindo-se ao Big Brother Brasil…, eles precisam saber que a sociedade brasileira luta fervorosamente para que o tal programa seja cancelado. Enquanto isso não acontece o povo brasileiro combate o canal responsável pela produçāo e emissāo do programa utilizando a sua maior arma: “o discernimento”. Há cinco anos que o BBB tem sofrido com o baixo número de audiência e inevitavelmente a rede de televisāo já cogita a sua continuidade. Ainda assim, fazendo a ligaçāo entre os programas brasileiros com a realidade angolana, quem apoia o BBA comparando ao BBB não se pode esquecer que Angola hoje parece uma copia “glob(o)alizada” da sociedade brasileira, onde queremos falar, vestir e agir como os brasileiros das novelas. Perdemos a identidade, a cultura e arrisco dizer o amor próprio. Já foi pior, é verdade, o que prova que temos aos poucos dado passos pequenos mas sólidos rumo à auto-determinaçāo. Esse trabalho nāo pode ter sido em vāo.

    Entretanto sobre o Big Brother Angola, não podemos nos esquecer que o programa está num canal fechado e embora possa parecer, Angola é muito maior do que as redes sociais aparentam e nesta Angola fora das redes sociais e das metrópoles, ter uma antena parabólica ainda é sinónimo de luxuria. Neste caso dizer que o programa vai desvirtuar os jovens angolanos é sim em parte um exagero. Feliz ou infelizmente o verdadeiro angolano ainda é educado pela TPA entāo nem tudo está perdido, certo?!

     

    Share this
    Tags

    A Bombar

    Proposta de Lei dos Crimes de Vandalismo de Bens e Serviços Públicos – Quem destruir património pode ir 15 anos para a cadeia

    O Conselho de Ministros de Angola, reunido sob a orientação do Presidente João Lourenço, examinou três propostas de lei destinadas à Assembleia Nacional. Em...

    Ministro da Cultura de Angola e Maria Borges Buscam Parcerias Internacionais para Música Angolana”

    O Ministro da Cultura, Filipe Silvino de Pina Zau, recebeu em seu gabinete a renomada modelo internacional Maria Borges, que também exerce o cargo...

    JEO MC estreia-se como atleta de MMA e sagra-se campeã nacional

    Por: Helder Lourenço A gladiadora dos Reis de Rompimento Primeira Liga (RRPL), Jeorgina Ludmila, conhecida nas lides artísticas como Jeo MC, estreou-se como atleta de...

    - Publicidade -

    Artigos Recentes

    - Publicidade -

    Mais como isto