A Empresa Gestora de Terrenos Infra-estruturados (EGTI) tem um programa que contempla dois mil lotes, para as trabalhadoras domésticas e zungueiras para a autoconstrução dirigida, no âmbito da sua responsabilidade social.

O projecto, de dimensão nacional, poderá conhecer o seu arranque no primeiro semestre de 2021, e visa contemplar grande parte desta franja da sociedade considerada como vulnerável. A directora de gestão de activos da EGTI, Lisneide Abreu, falou, à RNA, da componente técnica que terá duas fases.
E o Ministério da Acção Social, Família e Promoção da Mulher abraçou o projecto, segundo Joana Cortez que afirmou, à RNA, que o mesmo vai proporcionar uma série de benefícios para essas mulheres. Clique no áudio e ouça: