- Publicidade -

More

    'Em Família': Laerte morre e Luiza termina novela sozinha

    em

    |

    Visualizações

    and

    comentarios

    De Acordo com o jornal Extra, o final de Em Família, que acontece nesta sexta-feira (18), contará com a morte de Laerte (Gabriel Braga Nunes) e Luiza (Bruna Marquezine) terminando a trama solitária. O músico morre ao ser baleado por Lívia (Louise D’ Tuani) na porta da igreja logo após o casamento e não resiste.

    Lívia quer matar Laerte porque ela ouve o flautista tirando sarro dela com Verônica (Helena Ranaldi) e fica transtornada. Laerte provoca Lívia. “Não faça assim comigo. Eu estou sofrendo por gostar tanto de você. Por isso queria sair daqui, mudar de cidade, desaparecer”, fala. Os dois são interrompidos por Verônica: “ela está fascinada, hipnotizada por você. Tenho medo que faça uma besteira. Ela é muito nova, me contou que acabou com um namoro de dois anos por sua causa”. “É uma bobona, sentimentaloide. Acha que eu vou me envolver com uma garota assim”, rebate Laerte. Lívia ouve tudo.

    fr8853.jpg

    Já na igreja, o flautista sorri para a moça. No fim da cerimônia, uma mão se destaca com uma arma e atira em Laerte. Helena (Julia Lemmertz), Shirley (Viviane Pasmanter), Verônica (Helena Ranaldi), Luiza e Lívia rodeiam Laerte deitado no chão, a chuva caindo sobre ele. Laerte passa os olhos pelos rostos das cinco mulheres. Helena lembra de um beijo em Goiânia enquanto as outras lembram de cenas que marcaram suas vidas. A última em que ele fixa o olhar é Lívia. “Por quê?”, pergunta. Lívia chora sem ruído e não responde. Um policial começa a afastar as pessoas que querem ver Laerte no chão. Um outro policial segura Lívia pelo braço e leva a jovem dali. Laerte sorri para Luiza e morre com os olhos abertos. Ela reprime um grito. Shirley sofre. Selma olha o filho morto, faz o sinal da cruz e pergunta a Chica “quem é?”.

    Há uma passagem de tempo mostrando a mãe e Shirley visitando o túmulo de Laerte em Goiânia. Luiza, recém-chegada de Paris, vai ao Galpão. “Sinto saudades do Galpão. É a música, a dança, a arte de uma maneira geral que nos deixa mais jovens e mais bonitos também. O Laerte me dizia: ‘quero viver sempre num palco. É uma forma de não envelhecer e não morrer'”, diz para Alice (Érika Januza), que afirma que o músico era um grande artista. “E um grande sedutor. Sabia errar e em seguida se desculpar. Pedir perdão. E a gente não tinha como não aceitar! Fui a mulher mais feliz do mundo tão cedo!”, diz. “Vai aparecer um outro homem pra te encantar”, rebate Alice. “Pode ser. Não fechei os olhos para a vida, a alegria e o amor. Um homem que não seja tão complicado como o Laerte, mas que me faça ir ao céu sempre que me tocar! Como ele sabia fazer!”, responde.

    Share this
    Tags

    A Bombar

    Divisão de Luanda dará surgimento a uma região Litoral

    A província de Luanda poderá ser dividida em uma região Litoral, com a excepção de Cacuaco, e uma outra que vai comportar os municípios...

    Angola paga USD 176 milhões da sua dívida com FMI

    Cerca de 176 milhões de dólares norte-americanos é o valor que o Governo angolano já pagou ao Fundo Monetário Internacional (FMI) desde 2021 até...

    Feira da saúde Pumangol apoia gratuitamente população carenciada

    No distrito urbano do Benfica Luanda, 21 de Junho de 2024 – A Pumangol arrancou hoje com a Feira de Saúde Anual, que decorre de...

    - Publicidade -

    Artigos Recentes

    - Publicidade -

    Mais como isto