- Publicidade -

More

    Filipe Zau destaca percurso de Amílcar Cabral e liderança de José Maria Neves

    em

    |

    Visualizações

    and

    comentarios

    O Ministro da Cultura, Turismo e Ambiente, Filipe Zau, destacou o nome de Amílcar Cabral, no meio dos grandes nacionalistas africanos. O líder que, em tempo de luta armada, considerou, de forma totalmente aberta e descomplexada, a Língua Portuguesa, como a maior herança do colonialismo.

    Filipe Zau falava à margem de uma visita efectuada pelo Presidente de Cabo Verde, José Maria Neves, no Arquivo Nacional de Angola, em Luanda.

    O Ministro realçou o manifesto do MAC, Movimento Anti-Colonial, em 1957, considerado por Amílcar “o prefácio da nossa luta, a linha geral da luta que travamos hoje vitoriosamente contra o colonialismo português”.

    Filipe Zau acentuou o tempo da luta comum pela autonomização política dos nossos povos, onde o nome de Amílcar Cabral se associou ao de Agostinho Neto, Edmundo Rocha, Lúcio Lara, Carlos Pestana, Guilherme do Espírito Santo e Iko Carreira.

    Parafraseando Amadou Bow, ex-director-geral da UNESCO, referiu-se a Cabral como o nacionalista guineense e cabo-verdiano a sentir o apelo mais vasto de cidadão africano, da solidariedade numa luta comum. “Amílcar Cabral se sentia tanto angolano, em Angola, como moçambicano, em Moçambique, como era guineense e cabo-verdiano, fruto da convivência com outros líderes, durante a sua passagem por Lisboa, no convívio na Casa dos Estudantes do Império, no Centro de Estudos Africanos e no Clube Marítimo Africano”.

    Liderança de José Maria Neves

    Ao dirigir-se a José Maria Neves, Filipe Zau, destacou-lhe a liderança de Cabo Verde, enquanto primeiro-ministro, o país triplicou o seu PIB, mais que dobrou o seu rendimento per capita, deixou a lista dos PMA, Países Menos Avançados, da ONU, e aprofundou a sua democracia, passando o país a situar-se entre as melhores democracias do mundo.

    Durante os três mandatos, os governos de Neves melhoraram a vida dos cabo-verdianos, transformando e diversificando a sua economia, implementando uma política de crescimento verde, com o objectivo de assegurar que 50 por cento das fontes de energia de Cabo Verde provenham de fontes renováveis.

    A boa governação liderada por José Maria Neves, de acordo os dados avançados pelo Ministro da Cultura, Turismo e Ambiente, permitiu a Cabo Verde alcançar os Objectivos do Desenvolvimento do Milénio das Nações Unidas, assinar um acordo de parceria especial com a União Europeia e reforçar a integração de Cabo Verde na Comunidade Económica dos Estados da África Ocidental (CEDEAO).

    José Maria Neves, acompanhado da Primeira da Dama de Cabo Verde, Débora Katisa Carvalho, visitou, terça-feira, as instalações do Arquivo Nacional de Angola, dirigiu, na ocasião, aos estudantes da Universidade Agostinho Neto, uma Aula Magna que realçou as relações de cooperação e amizade entre Angola e Cabo Verde.

    O Presidente de Cabo Verde pediu a construção de “novas pontes” que garantam um melhor relacionamento futuro entre os dois Estados.
    LP

    Share this
    Tags

    A Bombar

    4ª edição dos “Prémios Tigra Nova Garra” reconhece 28 profissionais em diferentes áreas de actuação

    Os Prémios “Tigra Nova Garra” já fazem parte da agenda dos grandes eventos anuais que reconhecem talento, criatividade, esforço e compromisso social dos jovens...

    “Delero King cobra Taxa de 1 Milhão de Kz por Participação Musical”

    Na terça-feira, (23), teve lugar em Luanda a conferência de imprensa para anunciar os vencedores da 4ª edição dos “Prémios Tigra Nova Garra”, uma...

    Miguel Neto declara que denominação “música folclórica” é pejorativa para Angola e defende o termo “tradicional”

    O jornalista angolano Miguel Neto declarou, nesta Segunda-feira (22), durante a rubrica "Momento Cultural" do programa A Tarde é Nossa da TV Zimbo, que...

    - Publicidade -

    Artigos Recentes

    - Publicidade -

    Mais como isto