Por: Nelma Inglês

A gala realizada na noite de ontem, terça-feira, 14 de Fevereiro, no HCTA, em Luanda, em alusão ao dia de São Valentim e que esteve prevista a actuação especial do músico brasileiro, Alexandre Pires, aconteceu sem a presença do tão esperado cantor.

Segundo o organizador do evento, Henriques Miguel “Riquinho”, Alexandre Pires, autor do sucesso “A Deus eu peço”, faria duetos com quatro artistas nacionais, mas o cantor não chegou a Angola, deixando os presentes na gala agastados, saindo do local do evento aos murmúrios.

Além de Alexandre Pires, também não se fizeram presentes na gala Anselmo Ralph e os seus meninos (artistas da Bom Som), Bruna Tatiana e outros músicos convidados. Actuaram apenas Kelly Silva, acompanhado da banda Estrela, Mona Nicastro, o humorista Agente Formiga, Júlio Gil e Márcio Batalha, declamador.

Sobre o sucedido, Riquinho disse que ninguém sentiu a falta dos artistas ausentes e que foi alvo de um boicote. “Há um ditado que diz: ‘só faz falta quem cá está’. Eu levei uma salva de palmas durante o meu discurso de abertura e elas falam tudo! não é necessário ser muito inteligente para perceber que fui alvo de um boicote; eu escrevi para beneficiar de algumas divisas, a minha carta devia ser respondida depois de quatro dias, mas levaram doze dias. Não tive outra escolha, teria que recorrer ao mercado paralelo para resolver a minha situação e entre recorrer ao mercado paralelo e o Alexandre Pires não vir, eu escolhi a segunda opção. Ninguém cobrou o Alexandre, nem o Anselmo Ralph, nem a Bruna Tatiana, nem mesmo os outros artistas que se ausentaram”, fez saber Riquinho.

Questionado se pagou os artistas antecipadamente, o CEO da Casa Blanca respondeu: “Eu paguei os cantores de forma diferente, não como eles estão acostumados. Paguei por multicaixa tudo que eles precisassem, desde a hospedagem e outras despesas. Se quisessem, eu podia fazer uma transferência para as suas contas, entretanto, não havia um contrato assinado.