Industrialização e Diversificação económica Governo está comprometido com o bem-estar do povo

0
88

O governo angolano está comprometido em transformar as riquezas naturais do país em riqueza real para o bem- estar do povo.

Esta é uma tarefa que todos os governos africanos devem enfrentar, segundo o ministro de Estado para Coordenação Económica, Manuel Nunes Júnior, durante a sua intervenção na 17.ª Cimeira Extraordinária dos Chefes de Estado e de Governo da União Africana sobre a Industrialização e Diversificação Económica, realizada esta sexta-feira, 25 de Novembro, em Niamey, no Níger.

“O nosso continente tem de deixar de ser visto como um continente potencialmente rico. Teremos de ser capazes de transformar as imensas riquezas naturais dos nossos países em riqueza real para os nossos povos.

Esta é uma tarefa que temos todos de enfrentar”, referiu.

Na cimeira, em representação do Presidente da República, João Lourenço, o ministro de Estado para a Coordenação Económica também disse que o Governo angolano implementa uma agenda nacional de industrialização e de diversificação económica, tendo o Agronegócio como base.

Neste sentido, referiu ainda, o Governo tem adoptado políticas para a criação de um ambiente de negócios cada vez mais favorável à atracção de investidores nacionais e estrangeiros e à criação de zonas económicas especiais, de modo a tornar a economia do país mais eficiente, mais competitiva e cada vez mais capaz de aumentar a produção nacional, diminuir as importações e diversificar as exportações.

“É um caminho longo e difícil, mas que temos de o fazer, com uma grande aposta no desenvolvimento do capital humano, na expansão e modernização das nossas infra-estruturas e na intensificação e aceleração da diversificação da economia angolana”, acrescentou.

Para Manuel Nunes Júnior este caminho permitirá elevar os padrões de vida do povo angolano e é o caminho que vai ser seguido com toda a coragem e com toda a firmeza.

No final da cimeira, que, simultaneamente, foi uma sessão extraordinária da Zona de Comércio Livre Continental Africana (ZCLCA), o ministro de Estado disse foi concluído que o capital humano, as infra-estruturas e o agronegócio são fundamentais para o sucesso dos países africanos na luta pela industrialização e diversificação do continente, bem como a energia, água, as estradas e as vias de acesso.

“Em conclusão, o que ouvimos aqui são posições que, de um modo geral, estão de acordo e convergem com aquilo que nós temos no nosso país, o que é muito bom”, sublinhou.

O objectivo da Cimeira é impulsionar os países para que o continente esteja na mesma velocidade do ponto de vista da industrialização.

A delegação angolana, chefiada pelo ministro de Estado para a Coordenação Económica, Manuel Nunes Júnior, foi integrada pelo ministro da Indústria e Comércio, Victor Fernandes, secretária de Estado das Relações Exteriores, Esmeralda Mendonça, embaixador de Angola na Ethiopia e representante permanente junto da União Africana e UNECA, Francisco da Cruz, e pelo embaixador de Angola na Nigéria, Níger e no Benin, Eustáquio Quibato. A Cimeira decorreu no âmbito das comemorações da semana da industrialização de África, que teve início no dia 20 de Novembro, sob o lema ”Industrializar África: Compromissos Renovados para uma Industrialização e Diversificação Económica In

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui