A governadora da província de Luanda, Joana Lina, pediu hoje,(terça-feira) desculpas e paciência aos citadinos, pelos amontoados de lixo que se verificam pelas várias artérias da capital angolana.

O apelo foi feito, em declarações à imprensa, após ter depositado uma coroa do flores no túmulo do soldado desconhecido, localizado na continuidade da rua Primeiro Congresso do MPLA, no distrito urbano da Ingombota, município de Luanda, para assinalar o Dia da Libertação da África Austral e 33º aniversário da Batalha do Cuito Cuanavale.

Na ocasião, a governadora, Joana Lina, pediu desculpas aos munícipes pelos constrangimentos que está a causar o lixo, precisando que está em fase de conclusão o processo do concurso público das novas operadoras de limpeza, no sentido de nos próximos dias se inverter o quadro actual.

Em relação a efeméride, sublinhou que tem significado histórico para os angolanos, visto que foi com a Batalha do Cuito Cuanavale que Angola marcou o continente africano e em particular a região da África Austral, com a acção militar que contribuiu para a independência da Namíbia e o fim do Apartheid na África do Sul.

Para a governadora, o legado tem de continuar a ser passado a nova geração, no sentido de perceberem o sacrifício consentido pelos mais velhos, para o alcance da paz e perseverem a história.

Para o secretário-geral da Federação dos Antigos Combatentes e Veteranos da Pátria de Angola, brigadeiro na reforma, Vicente Júnior, a Batalha do Cuito Cuanavale foi de transcendente importância pelo facto de o país granjear prestigio regional e internacional, reconhecido por todos os angolanos.

O dia 23 de Março de 1988 marca o fim da Batalha do Cuito Cuanavale, no sudeste de Angola, onde as FAPLA (Forças Armadas Populares de Libertação de Angola), e as FAR (Forças Armadas Revolucionárias, de Cuba), defrontaram o exército da maior potência militar regional, a África do Sul, e as forças da UNITA.