Inicio * Notícias Polícia Nacional desmente informações sobre concurso público

Polícia Nacional desmente informações sobre concurso público

A Polícia Nacional diz não serem verdadeiras todas as informações que circulam nas redes sociais e não só sobre a alegada abertura de um concurso público para provimento de vagas na corporação.

A informação consta de um comunicado de imprensa do Comando Geral da Polícia Nacional, a que o Gabinete de Comunicação Institucional e Imprensa do Ministério do Interior teve acesso, segundo o qual, as informações que circulam nas redes sociais sobre um alegado recrutamento e selecção de cidadãos para integração na corporação policial são falsas.

No documento, pode-se ler: “O Comando-Geral da Polícia Nacional alerta a todos os cidadãos a absterem-se desta campanha falaciosa, sob pena de serem vítimas de burla por defraudação, não esperando da parte desta instituição castrense a assunção de responsabilidades face à essas manobras dilatórias.

Para mais, o comunicado informa que – estamos a citar – o ingresso na Polícia Nacional de Angola tem sido realizado com base nos cidadãos na condição de ex-militares das FAA, licenciados à disponibilidade, estando presentemente suspenso, por força das medidas de prevenção e controlo da propagação da covid-19.

Na sequência, avança que, tão logo estejam criadas as condições para o efeito, utilizará os meios de comunicação social e plataformas digitais oficiais para o conhecimento geral.

Finalmente, apela aos cidadãos a não partilharem tais informações e a denunciarem actos do género, para que possam ser responsabilizados nos termos da lei.

De referir que, o GCII/MININT está a desenvolver uma campanha virtual (nas suas plataformas digitais) contra burlas nas redes sociais e por SMS, pelo que, aproveita o ensejo para reforçar, mais uma vez, o apelo sobre os cuidados que os cidadãos devem ter no relacionamento com pessoas estranhas e não só, essencialmente, quando esteja em causa compra e venda de certos bens, evitando compras de coisas não presentes e aceitação de gratificações pouco claras.

Noticia realacionada

Leia tambem