- Publicidade -

More

    A construção de sociedades sãs pode ser feita por intermédio da música

    em

    |

    Visualizações

    and

    comentarios

    Texto_provisorio

    A música deve servir de “correia de distribuição” da moralidade e bons princípios éticos, assim como ferramenta para construir sociedades sãs, afirmou hoje, em Luanda, o músico angolano  Alexandre Dala.

    O mesmo, que se tornou conhecido como apresentador do programa Motores, exibido semanalmente no Canal 2 da Televisão Pública de Angola (TPA), lamentou o facto de muitos artistas usarem a música para instigarem a violência e o crime.
    Em declarações à Angop, durante a venda e sessão de autógrafos, na Praça da Independência, do seu primeiro disco intitulado “A Fama não me Mudou”, o mesmo acrescentou que a sua estreia no mercado musical resulta da intenção em dar o seu contributo, por intermédio da música, para a construção de uma sociedade mais solidária.
    “A música deve fazer parte das coisas boas da vida. Deve ser um vínculo de reconciliação e alegria. Não um elemento para apoiar as coisas más da vida”, frisou.
    No que toca particularmente a sua estreia musical, o apresentador de televisão afirmou que a sua pretensão é fazer chegar as suas mensagens a um maior número de pessoas possíveis, acrescentando não estar preocupado com a fama.
    “A Fama não me Mudou” exibe o lado hip hop de Alexandre Dala. A obra comporta seis músicas cantadas integralmente em português.
    Share this
    Tags

    A Bombar

    4ª edição dos “Prémios Tigra Nova Garra” reconhece 28 profissionais em diferentes áreas de actuação

    Os Prémios “Tigra Nova Garra” já fazem parte da agenda dos grandes eventos anuais que reconhecem talento, criatividade, esforço e compromisso social dos jovens...

    “Delero King cobra Taxa de 1 Milhão de Kz por Participação Musical”

    Na terça-feira, (23), teve lugar em Luanda a conferência de imprensa para anunciar os vencedores da 4ª edição dos “Prémios Tigra Nova Garra”, uma...

    Miguel Neto declara que denominação “música folclórica” é pejorativa para Angola e defende o termo “tradicional”

    O jornalista angolano Miguel Neto declarou, nesta Segunda-feira (22), durante a rubrica "Momento Cultural" do programa A Tarde é Nossa da TV Zimbo, que...

    - Publicidade -

    Artigos Recentes

    - Publicidade -

    Mais como isto