Angola registou, nas últimas 24 horas, mais quatro óbitos por Covid-19, elevando para 600 o número de pessoas que perderam a vida, desde que foram detectados os dois primeiros casos da pandemia, em Março do ano passado.

De acordo com o boletim epidemiológico da Direção Nacional de Saúde Pública, as mortes ocorreram em Luanda (2) e na Huíla (2) e as vítimas são todas do sexo masculino, com idades entre 25 e 68 anos.
Luanda, única região do país com circulação comunitária das estirpes inglesa e sul-africana da Covid-19, acumula 405 mortes.

Ainda ontem, as autoridades sanitárias notificaram 163 novas infecções, das quais 132 em Luanda, 19 na Huíla, 8 em Cabinda, 3 no Uíge e uma em Benguela, sendo 98 do sexo masculino e 65 do sexo feminino. As idades variam entre dois meses e 83 anos. As 37 recuperações foram reportadas em Luanda, com idades compreendidas entre dois e 57 anos.
Os laboratórios realizaram 2.111 testes por RT-PCR, aumentando para 504.680 amostras processadas, com uma taxa de positividade de 5,3 por cento.

Nas entradas e saídas de Luanda foram realizados 1.027 testes rápidos serológicos, com o complemento do teste rápido antígeno nos casos reactivos. Com os dados divulgados ontem, o país tem um total de 26.815 casos confirmados, dos quais 23.915 recuperados, 600 óbitos e 2.302 activos.

Dos activos, 10 são doentes críticos, 19 graves, 91 moderados, 69 leves e 2.013 assintomáticos. Nas unidades de tratamento em todo território nacional estão internados 189 doentes. De acordo com as autoridades sanitárias, nas últimas semanas, os casos críticos triplicaram nos cuidados intensivos. Regista-se ainda um aumento de mais de 50 por cento dos casos graves e cerca de 98 por cento de doentes activos.
O Ministério da Saúde controla 125 pessoas em quarentena institucional e 1.524 são contactos vigiados do ponto de vista epidemiológico.