- Publicidade -

More

    A memória musical do Duo Ouro Negro

    em

    |

    Visualizações

    and

    comentarios

    Single “Pata Pata” uma canção imortalizada pela cantora Miriam Makeba

     

    Fotografia: DR

    A intemporalidade das canções que fizeram época, no período áureo da carreira do Duo Ouro Negro, demonstra, de forma inequívoca, que o processo criativo que emana do íntimo filosófico, cultural e vivencial dos povos, tem a propensão de resistir à agressividade implacável do tempo e à efemeridade sazonal das modas.
    Embora com uma substancial influência da cultura portuguesa, parte substancial do legado musical do Duo Ouro Negro, entendido na sua dimensão simbólica e patrimonial, está enraizada na representatividade das tradições artísticas angolanas. “Kurikutela” (1960), Eliza (1967), “Menino de Braçanã” (1966), “Maria Rita” (1962), “Rita flor de canela” (1968) e “Amanhã” (1971) são alguns clássicos do Duo Ouro Negro, que resistem no tempo, pela qualidade da sua moldura estética e poética, e fazem parte da memória colectiva dos angolanos.
    À época, o contacto permanente e activo com o universo rural contribuiu para formação do perfil artístico do duo, o que possibilitou a criação de uma linguagem musical híbrida, que recebeu aplausos fora das fronteiras de Angola, mesmo nos momentos em que as canções eram interpretadas, de forma desinibida e consciente, em línguas nacionais.

    A formação do duo

    Filho de mãe branca e pai negro, Raul José Aires Corte Peres Cruz, Raul Indipwo, nasceu na Chibia, província da Huíla, em 1933. Aos 6 anos aprendeu piano, em Benguela e na Caála, Huambo, com as professoras Cândida Guimarães e Dona Ofélia. O pai, integrado nos serviços de saúde do exército colonial português, facilitou a peregrinação de Raul Indipwo por quase toda extensão de Angola, desde Malange a Maquela do Zombo, passando pelas Lundas, onde o jovem assistiu a vários rituais e cerimónias tradicionais, num contacto directo e dinâmico com as populações locais.
    Raul Indipwo visita, em 1955, a cidade do Uíge, convidado por um amigo, e reencontra Milo Mac-Mahon Victória Pereira, um velho companheiro com quem havia partilhado a infância em Benguela, facto que se transformou no motivo da formação do Duo Ouro Negro.
    Emílio Vítor Caldeira Mac Mahon Vitória Pereira, Milo Mac-Mahon, nasceu no dia 3 de Maio de 1940, na cidade do Lubango. 
    Solista da Igreja de Nossa Senhora do Pópulo, em Benguela, Raul Indipwo recebeu as primeiras lições de violão e pintura com a mãe, Arsénia da Corte Perez Cruz. A irmandade musical e o contra canto harmónico, das vozes de Raul Indipwo e Milo Mac-Mahon, decorreram de forma natural e cedo o duo foi granjeando a simpatia nos locais de festa e de convívio juvenil, na cidade do Uíge.
    Durante o programa comemorativo do aniversário da Emissora Oficial de Angola, em 1956, as rádios locais enviaram programas especias para Luanda. Foi então que a Maria Lucília Pita Grós, locutora da rádio Uíge, abriu com as seguintes palavras o programa: “Angola é muito rica em ouro negro, que brota espontaneamente do chão e das minas, mas desta vez o ouro cintila das vozes de Raul e Milo” – assim surgiu a adopção da designação, “Ouro Negro”, na primeira fase, e depois, de forma definitiva, Duo Ouro Negro, em 1959.
    Reconhecidamente influenciados pelo conjunto Ngola Ritmos, o Duo Ouro Negro só veio a conhecer, de perto, o grupo de Liceu Vieira Dias, em 1956. Seguiram-se contactos com a Garda e seu conjunto, o Trio Assis e o velho Fançony, figuras de cartaz na cena musical luandense da época.

    A primeira aparição pública

    A primeira aparição apoteótica do Duo Ouro Negro aconteceu no Cinema Restauração, em Luanda, em Julho de 1957, num espectáculo vivamente aplaudido pelo público e foi o prenúncio de uma fulgurante carreira repleta de êxitos sucessivos.
    Em 1960, o duo grava o primeiro single que incluía as canções “Muxima”, um clássico angolano, traduzido em língua portuguesa, e “Kurikutela”, uma composição de Raul Indipwo, baseada no cancioneiro Tchokwe.

    Polémica com “Tala ó mbundo”

    Foi nesta altura que interpretam o tema, “Tala ó mbundo” (olha o preto), canção que retrata as desigualdades sociais dos angolanos, baseada na raça por hierarquias- branco, mulato e preto. Traduzida do cancioneiro popular luandense, “Tala ó mbundo” foi considerada uma canção subversiva pela censura colonial da época. Raul Indipwo defendeu-se, dizendo que “era pura e simplemente a realidade”. Daí a polícia política não poupou esforços em intimar o duo a prestar declarações sobre os reais intentos do Ouro Negro e do eventual sentido político da canção “Tala ó mbundo”.

    A internacionaliazação

    A internacionalização do Duo Ouro Negro começa em 1959, quando o empresário cinematográfico Ribeiro Belga, motivado pela impressão com que ficou depois de ter assistido um concerto do duo, em Lourenço Marques (Maputo), o convidou a realizar um espectáculo, na cerimónia de inauguração do Cine Teatro Roma, em Lisboa.
    Daí foram surgindo sucessivas digressões do duo a Espanha, Suécia, França, China e Rússia, convidado pelo famoso palhaço Popov, Finlândia, Japão, na Expo-70 de Osaka, e América Latina.
    Durante a década de 1960, recebeu inúmeros prémios e actuou para plateias constituídas por insignes figuras, como o príncipe do Mónaco, e em concertos como o da comemoração dos 20 anos da UNICEF (1967), em Paris, e na gala de abertura da terceira edição do MIDEM, em 1968.
    Em 1970 acontece a primeira digressão pela Austrália e Estados Unidos, constituída por 43 concertos em universidades e teatros de 37 Estados americanos. 
    Em Paris, actuou de panos tradicionais angolanos no Lydo e no Olimpya, onde teve a oportunidade d, na Casa de Angola, travar amizade com o nacionalista Mário Pinto de Andrade.

    O Trio Ouro Negro

    Os trios eram moda, lembremo-nos do Trio Odemira e dos Los Paraguayos, e Milo Mac-Mahon defendia que a entrada de mais um elemento tomaria o grupo rico, extensivo e mais expressivo do ponto de vista rítmico. Embora a ideia de dilatar o duo fosse contrariada por Raul Indipwo, verdade é que, em 1960, vingou a intenção de Milo. Foi assim que José Alves Monteiro (violão e dikanza), angolano, natural do Golungo Alto, foi chamado a integrar o duo.

    O teatro com “Blackground”

    Em 1969, Raul Indipwo começa a escrev
    er a peça “Blackground”, na Argentina, e no ano em que tencionava levar a peça à Broadway, morre o seu inseparável companheiro, Milo Mac-Mahon. “Blackground” (campo negro) é uma representação teatral sobre a origem da música africana, metaforizada pela origem e formação dos rios. 
    África, conta Raul Indipwo, era árida e seca, e a Xituta ou Iemenjá foi parida pelos deuses. Ela sentiu-se só e os deuses deram-lhe um filho, que ela pariu pelo umbigo, e chamou-se Rio. O filho que cresceu, atravessou a África, foi desaguar no mar e abriu os braços que se ramificaram. Cada ramificação representou um filho novo, com o de nome: Missouri, Amazonas, Mississipi e Rio de La Plata.
    Com a primeira árvore nascida em África, um imbomdeiro, Iemenjá fez uma grande canoa e nela alojou todas outras vozes que desciam de outros rios: o Congo, o Niger, o Nilo, o Zambeze, o Zaíre e o Kwanza e disse: tu és o meu filho, o homem africano, que partiu, pelo rio de Iemenjá, cantando a canção da esperança com o coração representado por uma grande maraca: não te esqueças, não te esqueças “Blackground”… e assim termina a peça.

    A morte de Milo Mac-Mahon

    A morte do Milo Mac-Mahon, ocorrida no dia 20 de Janeiro de 1985, abalou profundamente Raul Indipwo, o que provocou o fim do duo. Raul afasta-se dos palcos, durante cerca de dois anos. “Não deixem morrer a imagem do ‘Duo Ouro Negro'”, aconselhava, consternada, Anália Victória Pereira Mac-Mahon, irmã de Milo.
    Raul Indipwo, desta vez a solo, renasce com os “Irmãos Verdade” e o “Grupo Raízes”, cantando em Conacry, Dakar e Lagos e participa no FENACULT (1987), em Luanda. Grava “Meninos de oiro” (1989) e Sô Santo (1997) e cria a Fundação Ouro Negro, em homenagem a Milo, instituição filantrópica, vocacionada para o apoio profissional e artístico da juventude, tendo acolhido, em Lisboa, membros do conjunto Afra Sound Star e os Jovens do Hungo.

    Raul Indipwo, o artista plástico

    Raúl Indipwo fez a sua primeira exposição individual em 1970, em Lisboa, no Palácio Foz. Esta foi apenas a primeira de muitas exposições individuais em várias cidades portuguesas e outras estrangeiras. A sua obra encontra-se representada em diversos museus, instituições e colecções de todo o mundo, designadamente na Fundação Calouste Gulbenkian, Museu do Funchal, Museu Tückner em Chicago, e Museu Kennedy, em Washington.
    Raul Indipwo comemorou os 50 anos de carreira, no dia 23 de Maio de 2005, com Bonga, Marisa, Luís Represas e Pedro Jóia. Nostálgico e decidido a viver, definitivamente, em Angola, faleceu no dia 4 de Junho de 2006, vítima de um linfoma, em estado muito avançado.

    Share this
    Tags

    A Bombar

    Pedro Yaba leva “simbiose” em obras de arte e fotografias ao MIREMPET

    Por: Ernesto Jaime A forma incansável dos trabalhadores mineiros transformarem a pedra bruta em belas esculturas de mármores, o diamante bruto em refinadas jóias, petróleo...

    Osvaldo Palhares assina contrato com renomada agência Gloss Model em São Paulo

    O talentoso músico e actor angolano, Osvaldo Palhares, está dar um grande passo na sua carreira artística ao assinar um contrato com a prestigiada...

    4ª edição dos “Prémios Tigra Nova Garra” reconhece 28 profissionais em diferentes áreas de actuação

    Os Prémios “Tigra Nova Garra” já fazem parte da agenda dos grandes eventos anuais que reconhecem talento, criatividade, esforço e compromisso social dos jovens...

    - Publicidade -

    Artigos Recentes

    - Publicidade -

    Mais como isto