O 3 de Maio foi escolhido por se tratar da data do aniversário da Declaração de Windhoek. Este documento foi aprovada durante um seminário organizado pela UNESCO sobre a Promoção da Independência e do Pluralismo da Imprensa Africana, realizado em Windhoek, Namíbia, de 29 de Abril a 3 de Maio de 1991.

A Declaração considera a liberdade, a independência e o pluralismo dos médias como princípios essenciais para a democracia e os direitos humanos.

Este ano, a efeméride assinala-se sob o lema “Acesso à Informação e às Liberdades Fundamentais – é o Vosso Direito”, lema instituído pela UNESCO. Em Angola, uma palestra subordinada ao tema “Liberdade de Informar, um Exercício Responsável” marcará o ponto mais alto da comemoração do Dia Internacional de Liberdade de Imprensa, numa organização do Ministério da Comunicação Social.

Segundo o programa do evento, a actividade será, igualmente, marcada pela leitura da Declaração do Governo de Angola a propósito da data e de uma intervenção do secretário-geral do Sindicato dos Jornalistas Angolanos (SJA), Teixeira Cândido.

Deixaremos aqui uma questão pertinente: afinal há ou não há liberdade de imprensa em Angola?