Com a chegada do iOS 14.5 nos iPhones na última segunda-feira (26), aplicativos como Facebook e Instagram foram forçados a pedir permissão aos usuários para rastrear atividades em outros sites e apps. Mas para evitar que os indivíduos recusem a coleta de dados dos aplicativos, as redes sociais de Mark Zuckerberg ameaçaram tornarem seus serviços pagos.

Nas mensagens com os novos termos de uso de Facebook e Instagram, os apps reforçam que as atividades coletadas em outros sites e aplicativos ajudam a manter os serviços “livres de cobrança”.

Desde que foi criado em 2004, o Facebook sempre destacou-se por ser uma rede social capaz de conectar pessoas de todo o mundo de forma gratuita — estratégia que foi seguida no Instagram, comprado pelo Facebook em 2012.

O problema é que o slogan em sua página inicial “É grátis e sempre será” foi retirado em 2019, o que causou um certo temor para os usuários na época. Agora, a nova ameaça de Facebook e Instagram é motivo mais do que o suficiente para levantar a hipótese de que ambas as redes sociais possam se tornar pagas caso haja um grande número de recusas para permitir as coletas de dados.

Os comunicados dos apps informam ainda que a coleta de dados é importante para exibir anúncios personalizados e para permitir que negócios cheguem aos clientes.
A intimidação feita por Facebook e Instagram aos seus usuários para aceitarem o rastreamento de suas atividades confirma a desaprovação de Mark Zuckerberg acerca das novas políticas de privacidade adotadas pela Apple.

Isso porque o App Tracking Transparency, disponibilizado no iOS 14.5, exige que os apps peçam permissão para coletar os dados do usuários, o que pode limitar a prática. Consequentemente, a ferramenta vai afetar o disparo de anúncios personalizados, que corresponde a 97% dos valores obtidos anualmente pelo Facebook.

Em janeiro, Mark Zuckerberg afirmou que a medida da Apple claramente visa “seus interesses competitivos”, além de prejudicar negócios de empresas menores no Facebook e no Instagram.

O CEO do Facebook afirmou ainda que o App Tracking Transparency poderá encarecer a internet, já que diversos apps gratuitos, dependentes da publicidade, poderão se tornar pagos pela diminuição das receitas.