A MultiChoice Talent Factory (MTF) é um programa de formação criado pela MultiChoice Africa para influenciar positivamente a cadeia de valor técnico e profissional da indústria cinematográfica e televisiva em todo o continente.

Com a MTF, a MultiChoice Africa fortalece o seu compromisso de “enriquecer vidas”, nos locais onde actua, ao permitir que jovens apaixonados por cinema e televisão tenham formação da melhor qualidade em áreas-chave como técnicas de narrativa, produção, áudio e realização na indústria cinematográfica e de TV.

Apesar de 2020 ter sido um ano desafiador, a MultiChoice está feliz e parabeniza os 60 estudantes de vários países, nomeadamente, Angola, Botswana, Etiópia, Gana, Quénia, Malawi, Moçambique, Namíbia, Nigéria, Tanzânia, Uganda, Zâmbia e Zimbabwe, que nas academias de Lusaka, Nairobi e Lagos depressa se ajustaram ao contexto da pandemia da COVID-19 e rapidamente fizeram a transição do ensino físico para o virtual. A cerimónia de graduação dos estudantes da Turma MTF 2020 aconteceu ontem (06 de Abril),na África do Sul e foi transmitida num canal da plataforma criado especificamente para o efeito.

De Angola, saíram formados Paulo Idalécio João e Adriano Dizongo, que consideraram a experiência como tendo mudado as suas vidas para sempre, não apenas pela experiência e ferramentas que adquiriram mas também pelos excelentes docentes, tutores e colegas, que conheceram ao longo destes 18 meses de formação.

Yolissa Phahle, a CEO para a Área de Entretenimento do Grupo MultiChoice diz que “ 2020, foi sem dúvidas um ano bastante desafiador para todos nós, pois tivemos que nos reinventar e adaptarmo-nos a um “novo normal”, e o MTF, foi o um dos projectos que mais foi impactado pelo novo normal, o curso que estava programado para ser feito em 12 meses, teve que ser estendido para 18 meses, mas também tivemos resultados excepcionais, pois acrescentamos mais valências ao curso, habilitando ainda mais e melhor os estudantes que fizeram parte da Turma  MTF 2020”.

O sucesso contínuo da iniciativa da MTF desde o seu início em 2018 é graças as parcerias com a Academia de Cinema de Artes Visuais de Nova York (NYFA), a Henley Business School Africa, a Universidade Pan-Africana na Nigéria, Universidade Kenyatta no Quénia e a Universidade da Zâmbia, e também parcerias com as organizações como Dolby, Jasco Broadcast Solutions e Nihilent. Os estudantes tiveram também um curso online intensivo de 3 semanas da NYFA sobre produção de documentários e vídeos musicais, e também trabalharam com as Nações Unidas na campanha global #PledgeToPause.

Artigo anteriorDomingos Andrade continua com o futuro incerto
Próximo artigoSerafina Sanches: “Gostaria de voltar a ver o meu grupo no activo, sinto saudades”
HÉLDER PEDRO, DE COBRADOR DE TÁXI A PROMESSA DA TV NACIONAL Há alguns meses que a televisão nacional ganhou um novo rosto. Hélder Pedro é o “platinado” que todos os sábados apresenta o mais recente programa de televisão sobre o jet7 angolano, no canal Jango Magic, da operadora DStv. A voz naturalmente colocada e a dicção não deixam margem para dúvidas de que a vocação radiofónica está-lhe no ADN. Apesar de ter optado por estudar Ciências Físicas e Biológicas no ensino médio, Hélder era apelidado pelos colegas de o “Bartolomeu da sala”, numa clara comparação a Ernesto Bartolomeu, famoso apresentador do telejornal da TPA 1. Várias foram as vezes que o jovem ouviu dizer que estava a perder-se no curso errado, porque “tinha um grande potencial para o jornalismo”, disse em entrevista à BANTUMEN. Num teste às suas capacidades, em 2008, decidiu criar a Rádio One, onde o seu quarto era o estúdio e os vizinhos a audiência. Uma coluna no terraço e estava criada a primeira rádio a ser emitida no município de Cacuaco. “Tudo o que eu falasse, as pessoas que viviam nos arredores da casa ouviam. O programa da Rádio One começava às 18 horas e tinha como convidados os meus irmãos e primo. O projecto surge com o intuito de entreter as noites da nossa vizinhança, uma vez que havia muita bandidagem no bairro e a zona era muito silenciosa.” Mas antes de chegar às televisões do país através do semanal “Platinando”, as curvas e contra-curvas da vida de Hélder levaram-no a ser pedreiro, cobrador de táxi, taxista e segurança num quintal do pai. Mas a perseverança está-lhe impressa no caracter. Em 2012, o “Bartolomeu da sala” conseguiu chegar à redação da Platina Line, através do pai que conhecia um dos funcionários da empresa. “Por ser bom e talentoso, passei no casting. Comecei como repórter, passei de seguida a fazer o programa de rádio na Kairós e fui promovido mais tarde para apresentador de TV, fazendo até hoje o programa “Platinando” com a minha colega Rosa de Sousa.” Um ano mais tarde, a responsabilidade do jovem trabalhador-estudante tornou-se demasiado pesada e foi necessário optar entre as várias actividades que desenvolvia ao mesmo tempo. “Estudava na Utanga do Capolo, fazia o curso de Electrónica e Telecomunicações e era difícil conciliar os estudos, serviço de táxi “não personalizado” e a Platina Line. Larguei o táxi e os estudos por falta de apoio, pois nessa altura o meu pai já não tinha condições para sustentar os meus estudos. E eu que sempre pensei que ser estudante universitário fosse um mar de rosas e que fosse principalmente fácil pagar as propinas, enganei-me!” Depois de dois anos dedicados à comunicação, Hélder decide voltar a estudar e é actualmente aluno da Universidade Independente de Angola, no curso de Ciências da Comunicação. Numa breve análise à liberdade de expressão dos meios de comunicação nacionais, Hélder Pedro diz que a “Platina Line veio revolucionar a comunicação social em Angola, em particular o mundo do entretenimento. Mas, como infelizmente a nossa sociedade ainda não tem uma mente tão aberta neste campo, encaramos certas informações como abusos contra identidade, o que impossibilita a liberdade de comunicação e muitas vezes de expressão. Como resultado, muitos jornalistas, comunicólogos e não só, vêem-se na obrigação de omitirem determinadas informações”, explica. Entre o online e a TV não consegue designar um preferido e garante que as duas categorias têm as suas vantagens. No entanto, os seus objectivos centram-se em chegar à cadeira de pivô de telejornal e, quem sabe, ser o sucessor do ídolo Ernesto Bartolomeu.