- Publicidade -

More

    Paulo Flores – Alternância política faz parte da evolução de um país

    em

    |

    Visualizações

    and

    comentarios

     

    Por LUSA

    O cantor angolano Paulo Flores destacou a importância da alternância política para a evolução de um país e defendeu que o povo deve ter mais acesso à educação para que possa “escolher pela sua própria cabeça”.
    null
    “A alternância política faz parte da evolução de um país, mas todos têm de estar preparados para que isso aconteça (…) Não queremos virar uma Líbia ou um Egipto”, afirmou o cantor em entrevista à Lusa.

    Questionado sobre se a crise económica em Angola está a criar mais agitação social no país, o cantor respondeu que esta já está em curso com uma sociedade civil cada vez mais ativa e reivindicativa, mas também mais ciente dos seus deveres.

    “As manifestações organizadas pelos jovens repetem-se e são reprimidas. Eles manifestam-se contra a falta de um ensino de qualidade e de oportunidades para construir um futuro justo”, referiu Paulo Flores.

    Sobre o processo judicial que o jornalista e ativista angolano Rafael Marques enfrenta por ter escrito o livro “Diamantes de Sangue”, o cantor disse esperar que Angola acabe com as perseguições e entenda, antes que seja tarde demais, que Rafael Marques e outras pessoas contribuem para um país melhor.

    Educação, informação e cultura são, nas palavras de Paulo Flores, a chave para uma Angola mais “justa e solidária”, sendo a contribuição dos artistas essencial para o desenvolvimento do país.

    Paulo Flores recorreu a um ditado popular para explicar o que se passa em Angola: “Quando os elefantes lutam o capim é que sai pisado”.

    O artista mostrou-se também preocupado por a “Europa estar a virar à direita” e a extrema-direita a ganhar cada vez mais protagonismo.

    Paulo Flores chamou ainda a atenção para a “desgraça no Mediterrâneo”, onde milhares de pessoas já morreram a bordo de embarcações, acusando os italianos de estarem apenas preocupados em proteger o seu território da imigração.

    O cantor, nascido em Angola, veio para Portugal ainda em criança, mas nunca deixou de visitar o seu país de origem.

    Em 1988, com 16 anos, gravou o seu primeiro álbum, “Kapuete Kamundanda”, tornando-se o “pai” da Kizomba (que em Kimbundu significa festa), um género musical conhecido em todo o mundo que mistura o Zouk das Antilhas com ritmos de Angola e do Congo.

    Paulo Flores destacou-se de imediato pelas letras das suas músicas que refletem o estilo de vida e a cultura angolana, bem como os temas da guerra e da corrupção.

    O seu último álbum chama-se “O País que Nasceu Meu Pai” em homenagem ao falecido pai e a toda uma geração que o acompanhou e que apresenta nesta quarta-feira em Lisboa.

    CZB/EL // EL

    lusa/Fim

    Share this
    Tags

    A Bombar

    Banco Bic abre inscrições para o crescer juntos e homenageia empresas co-investidoras

    O Banco BIC abriu nesta segunda-feira, 17 de Junho, as inscrições deste ano para ONGs, Fundações e Associações que necessitam de recursos financeiros e...

    Clénio & Clésio Gomes são os mais recentes acionistas do Luanda City, equipa recentemente promovida ao Girabola

    Clénio & Clésio Gomes são os mais recentes acionistas do Luanda City, equipa recentemente promovida ao Girabola É com imenso prazer que anunciamos a nossa...

    Jornalista Dalila Prata destaca-se no 21º Fórum Meteoclimatic no Média Workshop em Darmstadt (Alemanha)

    Por: Luizão Cabulo A jornalista angolana Dalila Prata destacou-se no 21º Fórum Meteoclimatic no Média Workshop em Darmstadt, Alemanha, representando Angola e a "TPA online"...

    - Publicidade -

    Artigos Recentes

    - Publicidade -

    Mais como isto