- Publicidade -

Visit arnan.me
More

    “ Saltos e Papeladas” com Karina Barbosa

    em

    |

    Visualizações

    and

    comentarios

     

    Por: Milca Caquesse

     


    Nascida aos 12.06.1972, Ana Karina Barbosa Garcia de Carvalho é sem sombra de duvidas uma grande autoridades e referência quando o assunto é moda, bom gosto e realização de grandes eventos. Visivelmente elegante, mede 1,75 m e pesa 70kg, Karina Barbosa como é

    conhecida por todos nós é natural de Alcântara- Lisboa. A mãe de Daniela Sofia (11 anos) e Yuri Zion (3 anos), licenciou-se em Relações Públicas e Públicidade e actualmente desempenha as funções de Directora Geral da STEP/ Produtora de Eventos.

     

    É uma mulher bastante inteligente, profissional e determinada, uma verdadeira inspiração para todas nós. Nesta edição, tenho o enorme prazer de partilhar convosco um pouco mas sobre Karina Barbosa…


     

    Milca Caquesse: É considerada por muitos uma profissional empenhada, perfeccionista e talentosa nas áreas em que actua. Fale-nos um pouco sobre esta trajectória, para que hoje tivessemos a profissional Karina Barbosa no nosso seio.

     

    Karina Barbosa: Sempre fui perfeccionista e extremamente profissional. Ainda enquanto manequim, não chegava atrasada, não reclamava
    dos longos horários, colaborava com as aderecistas nos bastidores, com os estilistas e produtores, maquilhadores… Sempre achei que se decidimos fazer algo, devemos querer ser o melhor possível nessa área que escolhemos, e isso acompanha-me até hoje. Fazer mal feito ou bem feito demora o mesmo tempo, então vamos fazer da melhor maneira possível, vamos estar no topo! Trabalho árduo, empenho, dedicação e talento fazem bons profissionais.

     

    M.C: Sendo mulher, muito elegante e profissional bastante ligada ao mundo fashion, querendo ou não, é sempre observada como espelho quando se fala em bom gosto, moda e estilo. Como faz para não decepcionar em momento algum aqueles que a admiram e a têm como inspiração?

     

    K.B: Eu visto-me para mim e adapto as tendências que a moda vai ditando de estação para estação ao meu estilo pessoal que é um clássico moderno, e ao meu corpo que é curvilíneo. Fico feliz pelo facto das pessoas me considerarem elegante, charmosa ou sexy, dependendo do look que tenha naquele dia mas nunca me vestiria em função dos outros. Tenho uma personalidade forte e muita auto-estima e isso transparece e ultrapassa as roupas que visto. E gosto de me vestir de acordo com a ocasião, o local ou o convite que recebi de modo a prestigiar a pessoa que me convidou, isso é uma questão de boa educação.

     

     

    M.C: Considera-se uma autoridade quando o assunto é moda?

     

     

    K.B: Sim. É o meu trabalho e é minha obrigação estar a par do que se passa na moda a nível nacional e internacional. Estou atenta por gosto e por profissão.

     

     

    M.C: Neste ano de 2011, a Step completa 10 anos de existência, o que para mim, se traduz em muito trabalho, profissionalismo e coragem para que o nivel a que nos habituou se mantenha. Em algum momento, durante estes anos achou que não iria conseguir solidificar e fazer crescer sua empresa?

     

    K.B: Em alguns momentos a pressão pareceu de facto demasiada… Nunca devido a falta de competência ou capacidade minha nem do staff da STEP, mas devido a muitas tentativas de boicote e ataques despropositados à nossa empresa e a mim particularmente… Mas a qualidade do nosso trabalho acabou sempre por falar mais alto e é por isso que somos líderes de mercado há 10 anos! Infelizmente em Angola há muita inveja e muitas pessoas com complexos de inferioridade que tentam atacar quem faz algo que tenha sucesso e visibilidade porque todos querem aparecer, todos querem o “flash” e os “holofotes”, mas a “fama” para mim é uma consequência não um objectivo, e eu já era a KARINA BARBOSA antes de chegar a Angola, já tinha um nome, uma carreira de sucesso, já era uma referência, e o Kayaya Jr também. A STEP tem a reputação que tem graças ao seu trabalho, qualidade e percurso, e quem quer o mesmo, que trabalhe também em vez de nos atacar ou tentar melindrar as nossas relações com os nossos clientes e com os patrocinadores dos nossos eventos. As marcas e empresas confiam em nós porque nós conquistámos essa confiança apresentando, ano após ano, projectos de sucesso que lhes dão o retorno e a visibilidade que elas pretendem e porque elas alcançam os seus objectivos, não é nenhum favor que nos fazem por serem nossos amigos ou porque temos olhos bonitos. É triste que outros produtores tentem abordar os nossos clientes e patrocinadores com ataques pessoais ou comentários depreciativos à STEP, ou insinuações à legitimidade das nossas relações profissionais em vez de se preocuparem em apresentar propostas de trabalho e projectos viáveis e de qualidade… Assim nunca vão chegar lá…

     

    M.C: Da análise que tem do mercado empresário feminino angolano, quais as maiores dificuldades da mulher empresaria?

     

    K.B: Acho que falta de auto-confiança para levar os projectos adiante e muita pressão familiar e social para que os seus objectivos sejam casar e ter filhos, remetendo-se para 2º plano em função da carreira do marido. Falta de apoio nas tarefas domésticas, de facto… Falta mais garra, determinação e a noção de que não se pode “agradar a Gregos e Troianos”. É preciso aprender a dizer “não” com mais frequência sem ficarmos com sentimento de culpa porque não estamos a coresponder às expectativas das outras pessoas que em nada têm a ver com os nossos objectivos…

     

     

    M.C: Ser mãe, lider, empresária, dona de casa, profissional…são um conjunto de tarefas não muito fáceis de desenvolver. O que tem feito para nunca descorar de todos estes sectores da sua vida?

     

    K.B: O equilibro é muito difícil, e há um sentimento de culpa que acompanha todas as mulheres de carreira que é o acharem sempre que deveriam ter mais tempo para a família… Eu faço o que posso, da melhor maneira que consigo e tenho que ter a noção de que não sou uma super-mulher… O dia só tem 24 horas… Tento compensar com tempo de qualidade dedicado à família e trabalho de qualidade dedicado à empresa quando posso. E reservo também um tempo só para mim, para ter paz interior, para mimar, poder estar em sintonia com o meu espírito e não me perder de quem eu realmente sou e do que eu realmente quero.

     

    M.C: É  visivelmente uma mulher muito bonita, charmosa e elegante…Que cuidados tem para com a beleza e para estar sempre bem vestida? E é a favor de cirurgias estéticas? Já fez alguma?

     

     

    kb5656K.B: Gosto naturalmente de me produzir. Adoro fazer compras, leio muitas revistas de moda porque acho que a moda nos deve dar prazer. Procuro fazer exercícios físicos e gosto porque me faz sentir realmente bem. Hidratação do rosto e do corpo são indispensáveis no meu dia-a-dia e fazem toda a diferença na saúde e beleza da pele. Tudo o que sirva para fazer com que as pessoas se sintam melhores consigo mesmas e com a sua imagem é positivo e bem-vindo, daí que as cirurgias estéticas sejam uma mais valia e eu faria sem problema algum.

     

     

    M.C: É tida como uma profissional sempre muito directa, frontal e sincera. Numa sociedade como a nossa que infelizmente as pessoas não gostam de ouvir certas verdades, adoram ouvir apenas coisas boas de si mesmos, opiniões que agradem a tudo e todos…Como faz para não ferir susceptibilidades quando tem que dar uma entrevista, responder a certas questões ou tecer suas opiniões sinceras em assuntos críticos para o senso comum, como por exemplo estilo e moda?

     

     

    K.B: Se acho que a pessoa tem minimamente a noção das coisas e que poderá encarar a minha opinião como crítica construtiva e melhorar, digo o que penso com frontalidade mas sempre com educação e cuidado para não magoar ou ferir a sua susceptibilidade. Se for uma questão profissional, sou frontal e directa. Se for uma questão relativa a algum evento, pessoa ou instituição, em que a minha opinião vá extremamente contra algo que claramente eu saiba que não vai mudar tão cedo e que as pessoas só vão usar a minha opinião contra mim, simplesmente não comento.

     

    M.C: Trabalhou durante muito tempo como apresentadora de TV no exterior do país, tendo sido muito elogiada e orgulhado os angolanos. O que mas lhe fascinava naquele mundo?

     

    K.B: Gosto muito de entretenimento e de comunicar. Uma conversa descontraída com os telespectadores e com os convidados. É isso que me interessa em televisão, e no caso específico do Made in África, fiquei a conhecer muitos artistas africanos e angolanos.

     

    M.C: Para si qual é o protótipo de mulher perfeita? E qual a importância de cuidarmos todos os dias de nossa imagem física e moral?

     

    K.B: Não existem mulheres nem homens perfeitos. O que há é personalidades que encaixam umas com as outras. A imagem é importante, mas a saúde e o carácter são muito mais importantes, são essenciais! Estão-se a perder muitos valores e ética tanto nas relações pessoais como nas profissionais e isso enfraquece a sociedade. E pior do que os que estão a perder, é os que nunca tiveram esses valores e ética porque os maus exemplos vêm de cima!!!

     

     

    M.C: Tive a oportunidade de visitar o seu Blog na nossa revista e digo-lhe que está muito bonito e sempre actualizado. Qual é para si a importância do uso dos meios tecnológicos de informação para os artistas e figuras públicas?

     

    K.B: Estamos numa era muito digital e é a rapidez com que a informação pode passar à escala mundial que me faz estar ligada às redes sociais. No Facebook tenho 2 páginas, Karina Barbosa, só para amigos, e Karina Barbosa Work para fãs, conhecidos, relações profissionais, etc. No twitter estou como KBstepbystep onde os fãs e amigos podem seguir os meus estados de espírito, opiniões e actividades… Ajuda a que o meu trabalho possa ser melhor acompanhado e desmistifica um pouco a pessoa por trás da figura pública, porque existem muitos rumores e boatos sobre mim e assim as pessoas podem conhecer-me melhor e separar a realidade da ficção. Muito em breve terei uma coluna na Platina Line sobre Moda, onde as pessoas poderão também falar directamente comigo e pedir conselhos de moda e beleza e ainda este ano conto ter mais surpresas na Web…

     

     

    M.C: O que acha ser necessário para se estar sempre no auge neste mundo fashion?

     

    K.B: Seriedade, Talento, Empenho e Profissionalismo… STEP!

     

    M.C: Qual é a sua marca e estilista de eleição, nacional e internacionalmente?

     

    K.B: Bom, em relação a roupa gosto de Dior, Michael Kors e Karen Miller para looks de trabalho, gosto de Gucci, Elie Saab, Dior, Versace e Roberto Cavalli, Hervé Leger e BCBG para vestidos de cocktail e noite. Malas Louis Vuitton, sapatos Louboutin, Valentino e Gucci.

     

    M.C: Vem aí um dos maiores eventos de moda da nossa província e no país, o Moda Luanda e é quase impossivel falar nele sem mencionar o nome “Karina Barbosa”. Como estão os preparativos para este ano e que inovações teremos?

     

    K.B: Os preparativos vão bem, o tema será “Os Oceanos” e teremos alguns estilistas estreantes ao lado de nomes já consagrados. Vai ser um evento muito bonito e teremos como já é habitual a entrega dos Troféus Moda Luanda, cuja votação já começou em www.modaluanda.com. O melhor da moda nacional.

     

    M.C: Karina, qual é o seu maior sonho?

     

     

    K.B: Não tenho grandes sonhos, mas alguns objectivos na vida: Ver os meus filhos crescer com saúde e tornarem-se adultos responsáveis, continuar a trabalhar e a ver a STEP crescer e melhorar cada vez mais, e ter saúde para desfrutar os prazeres da vida ao lado da minha família e dos meus amigos.

     

    M.C: Para si, como define o homem ideal? E acha o homem angolano normalmente vaidoso?

     

    K.B: Não existem homens ideais, mas o tipo de homem que me cativa é auto-confiante, tem sentido de humor, tem bom coração e gosta de se divertir. Deverá ter ética e carácter e dedicar-se a mimar-me e fazer-me sorrir. Deve ser parceiro e caminhar ao meu lado, não a frente nem atrás. O homem angolano é vaidoso e interessante fisicamente, mas a maioria tem graves lacunas ao nível da honestidade e do carácter. É egoísta na medida em que se preocupa em ter prazer e ser feliz, não em dar prazer e proporcionar a felicidade à sua companheira.

     

    M.C: Já sofreu algum tipo de assédio sexual? E preconceito?

     

    K.B: Sim e sim. Mas a minha personalidade e postura não permitem que este tipo de situação aconteça com frequência porque eu rapidamente me posiciono acima de qualquer uma das situações e não admito faltas de respeito.

     

    M.C: Profissionalmente falando, como está actualmendo o mundo da moda em Angola?

     

    K.B: Está ainda aquém do seu potencial. Temos já excelentes manequins e bons criadores mas falta a formação e o desenvolvimento dos criadores de moda para que hajam de facto marcas angolanas e linhas de pronto-a-vestir. A indústria ainda não existe de facto.

     

    M.C: Vivemos num mundo bastante atribulado, onde por vezes é muito dificil transmitir certos valores morais e padrões de vida aos nossos entes-queridos, principalmente aos filhos. Que valores acha mas importante que sejam transmitidos pelos país todos os dias?

     

    K.B: A valorização do trabalho e das conquistas por mérito. Honestidade, respeito por nós próprios e pelo próximo. Solidariedade e amor.

     

    M.C: O que mas  preza na personalidade do ser humano?

     

    K.B: Honestidade.

     

    M.C: Considera-se uma mulher realizada a nível profissional?

     

    K.B: Sou muito agradecida e realizada pelo meu percurso e carreira até aqui. Mas há sempre novos desafios que me imponho a mim própria, novas metas… É isso que me move e que me fará continuar a superar-me.

     

    M.C: Que tipo de literatura gosta?

     

    K.B: Gosto de romances, sou muito romântica Smile

     

    M.C: O que faz nos seus tempos livres?

     

    K.B: Adoro receber amigos em casa. Também gosto de jantar fora, de dançar, de ir à praia, ouvir música, ver filmes… Mas o que mais gosto de fazer é viajar!

     

     

     

    M.C: O que acha do portal  Platina Line?

     

    K.B: Acho que tem melhorado a olhos vistos, é uma maneira de passar informação sobre o entretenimento angolano e os seus intervenientes ao mundo e isso é muito positivo.

     

    M.C: Que conselho deixa a todos os leitores, particularmente as leitoras da coluna “Saltos & Papelada”, no que concerne a atingir-se sempre as maiores metas profissionais possíveis?

     

    K.B: Trabalho, trabalho, trabalho. São mais as vezes que se ouve um “não” do que um “sim” mas isso faz parte do processo. Sigam em frente e sejam fiéis a si próprios, trabalhem com honestidade e integridade. Olhem para a frente e não para os lados, para o que os outros estão a fazer, e nunca se vendam. O caminho para o sucesso está sempre em obras… 

     

     

     

    Frase para pensar: “Elegância é quando o interior é tão belo quanto o exterior…” Coco Chanel

     ………………………………………………………………………………………………………


     


    Share this
    Tags

    A Bombar

    Jovem angolano Jessé Paulo lança livro “Tomos de Apoio Para o Nível A1 de Espanhol”

    Por: Sara Rodrigues Jessé Paulo, um jovem criador de conteúdo digital, escritor e CEO e fundador do Projeto Social "Quero falar Espanhol" no Instagram, acaba...

    Neth Nahara torna-se pregadora na cadeia de Viana e pode ver sua pena reduzida por bom comportamento

    A influenciadora digital Neth Nahara, cuja pena de prisão aumentou de seis meses para dois anos em outubro do ano passado, após um pedido...

    Madrugada Yoyo estreia-se como cantor de Kizomba

    O cantor angolano Madruga Yoyo estreou-se nesta Quarta-feira(10), como músico do estilo Kizomba, ao lançar a sua primeira música após vários anos assumindo a...

    - Publicidade -

    Artigos Recentes

    - Publicidade -

    Mais como isto