Acordos de Bicesse

0
178

 

É com muito desagrado que afirmo que por mais que tenha tentado fugir desse assunto, ele sempre perseguiu-me. Fiz de tudo, mas não deu. Faz parte do meu quotidiano, faz parte da minha vida. Afinal de contas, da política ninguém foge! Precisamos debater mais, encontrar formas de entrar em acordo e assim podermos ter a bendita paz que todos almejamos.

O 4 de Abril chegou, mas parece que as coisas andam meio inalteradas. Por essa razão, tive que fazer algumas mudanças nos assuntos daqui da “Coluna”. E por mais que pareça impossível, a culpa dessa mudança de rumo deve-se simples e solenemente à vocês! Sim, vocês, mulheres! Mais uma vez, vocês voltaram a mudar a minha vida. Aproveito desde já para dizer que eu refuto-me a falar das angolanas devido ao mundo “externo-planetário” em que elas vivem, tornando impossível compará-las com as mulheres. Está mais do que explicado através das várias teses sócio-científicas apresentadas aqui que Deus fez o homem, a mulher e a angolana. Não necessariamente nessa ordem, pois sabemos que a Eva era angolana.

Pois então, porque razão iria eu me rebelar e começar a politicar de vez?
Simples! É que os homens podem ficar o dia todo a dar sopa, sem fazer nada, olhando para o tecto ou mesmo tirando “kibokolo” do nariz que a sua namorada não o incomodará. Nem um pouquinho. Te deixará quietinho. Entretanto, apartir do momento em que pegas no comando da TV para assistir uma série interessante, um jogo mega envolvente… 
 

 

No mínimo, queres apenas 30 minutos ou aqueles 90 minutos do jogo só para ti, mas ela não deixa. Quando se trata dum jogo de futebol, é como se ela se recusasse a falar contigo nos intervalos. Ela vai se esconder a espera do momento que precises de paz. O que realmente me deixa entretido, apaixonado e confuso com essa habilidade feminina, é que ela só faz isso quando estás a curtir a cena. Se a suposta atracção televisiva estiver podre, ela vai te deixar. Se estiveres a assistir um Sassame do Kwanza-Sul contraFerrovia de BenguelaKambondo de Malanje – Dínamos do Sambizanga, jogos que desafiam todas as leis das posições e do movimento físico de tão lentos que são, onde um remate à baliza permite ao guarda-redes beber um copo de água antes de defender e levar 1 minuto só de salto em direcção à bola; a sua namorada nem vai te olhar. Mas se entra um jogaço, tipo “Zula” contra “Zuata”Os Nús contra Os de Meia… Que lá vem ela, gingando, rebolando, disputando a tua atenção com a TV. Ridículo! Aí, você já sabe, ela quer guerra, quer disputa, quer ver quem é quem.
Todavia, isso a gente já sabe. Isso é o pão nosso de cada dia, todo mundo sabe e fala disso. Isso já nem gera mais confusão.

O que mata qualquer homem, e dá vontade de acabar com o Savimbi que há dentro de qualquer mulher é no momento em que vocês estão na cama, após sérios confrontos entre as forças de libertação nacional e a frente nacionalista, onde muito suor e sangue rolou pelos lençóis, os olhos bem no fundo, sem garra alguma, estás com um sorriso no rosto, do tipo: Ela hoje me sentiu, fogo!
Queres apenas dormir e curtir o sabor da vitória, e de repente começas a ouvir um chiado, um “zum-zum-zum” a vir do fundo, como se estivessem a sintonizar um rádio; na verdade, ela estava mesmo sintonizando um rádio. Rádio 5 a bater naquela lenha, muito relato, você não se aguenta mais, levantas bandeiras da paz, chamas o Durão Barroso, queres assinar não sei quantos acordos com os “kwachas”… E nada! Ao invés dela respeitar o cessar-boca, ela entende que aquele é o grande momento para falar sobre o dia dela, avida dela, a vida das amigassegredosplanos, e sei lá mais o quê! Ai uê, “Ngana Zambi lelô”, hoje vão matar o teu filho na cama do calvário. Você pausa tipo: “Esperinda”, é “memo” agora que você quer falar isso? Você “num tá” a ver já os meus olhos como é que estão?
O pior não é ela falar, mas também pedir a sua intervenção; bem pior ainda, quer discutir a relação.

Vamos Lá Ser Sinceros! Isso é muito gozo e abuso de poder. Será que vocês (mulheres) pensam que a cama é a Jamba? Na cama é para ter paz e prazer. Eu não entendo. Antes de entrarem para as trincheiras, nunca têm nada para dizer. Após o homem já não ter mais forças nem para levantar um dedo… O Vasquinguri começa a entrar no corpo da sua parceira, e só ouves: “blobloblorarararararararra, blababalarararra”…GOOOOOOOOOOOOOOLOOOOOOOOOOOO! O homem acorda espantado e grita: É do Akwá!
Estrilho “guda” que se arranjaste! – Afinal “num” me ouviste, afinal “uououô”!
Alguém tem que morrer, esqueçam esse acordo de pássaros que não voam.

Epá, minhas irmãs, “num” é por “male”, mas apostem mais no diazepam depois de tudo e nos deixem dormir em&nbs
p;paz!

Subscribe
Notify of
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments